Câmara prevê arrecadação de R$ 8 bilhões com regulamentação de jogos.

Compartilhe nosso conteúdo!

grupo de trabalho (GT) que debate o marco regulatório dos jogos no Brasil vai incluir os chamados fantasy games, ou fantasy sports, no projeto. A modalidade de jogos já conta com ampla base de jogadores no Brasil. Os deputados do grupo estimam que a regulamentação desse tipo de jogo poderá gerar uma arrecadação de R$ 8 bilhões. Apesar do retorno financeiro previsto, a proposta enfrenta resistência de parlamentares que temem pelo impacto negativo da medida e da legalização de qualquer tipo de modalidade de aposta no país.

Os fantasy games são modalidades de jogo de apostas em que o resultado está atrelado ao desempenho de atletas em campeonatos reais de esportes. Um exemplo já existente hoje no Brasil é o Cartola FC, em que os competidores criam times virtuais de atletas do futebol. Os pontos são acumulados conforme o desempenho desses profissionais nos campeonatos. O jogador com time que acumular mais pontos recebe um prêmio em dinheiro ao final do campeonato.

O GT é presidido pelo deputado Bacelar (Podemos-BA), que propôs a inclusão da modalidade de apostas, alegando que sua prática já está disseminada no Brasil mas carece de uma lei que permita sua regulamentação, bem como a definição de mecanismos de proteção aos jogadores. “Se um site desses deixa de pagar o vencedor, a quem ele pode recorrer?”, questinou.

O relator do projeto, deputado Felipe Carreras (PSB-PE), defende também a necessidade de se regulamentar esse tipo de jogo no país, devido à impossibilidade de se controlar o tipo de aposta envolvida nos fantasy games. “Qualquer pessoa com um smartphone é capaz de acompanhar um jogo de futebol e apostar no resultado. Você consegue, com um aparelho na sua mão, apostar em qualquer time de futebol no Brasil”, disse o relator.

O relatório do marco legal do jogo poderá ser votado pelo GT nesta quinta-feira (9). Uma vez aprovado no grupo, o texto poderá ser apreciado em plenário. Não há previsão, contudo, de que a deliberação final ocorra até o fim da próxima semana, quando começará o recesso legislativo. O assunto deverá ser discutido em 2022 pelo conjunto dos deputados.

O projeto é visto com interesse pelo presidente da Câmara dos Deputados Arthur Lira (PP-AL). Seu maior desafio está em garantir um acordo para que sua aprovação seja possível em plenário. Em entrevista ao portal Metrópoles, o deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), coordenador da Frente Parlamentar Evangélica, adiantou que sua bancada votará contra. Ele considera que os votos da frente evangélica são suficientes para barrar a aprovação da proposta.

Fonte: Congresso em Foco

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts