Discurso de índia Wapichana roraimense na Cúpula do Clima foi considerado “muito morno”.

Compartilhe nosso conteúdo!

Convidada por Joe Biden, presidente dos EUA, para falar na Cúpula do Clima, nesta quinta-feira (22), a líder indígena roraimense Sineia Bezerra do Vale, integrante do povo Wapichana, fez um discurso considerado “muito morno e sem consistência”, segundo análise de defensores dos direitos dos povos indígenas e ambientalistas.

Ela não citou o nome do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e nem Ricardo Salles, ministro do Meio do Ambiente, nos mais de sete minutos de seu discurso. Bolsonaro e Salles são alvos constantes de ambientalistas e lideranças indígenas, críticos da condução das políticas ambientais do país, que resultaram, por exemplo, em desmatamento recorde da Amazônia em 2020

Durante seu discurso, Sineia Vale falou sobre a preservação das florestas brasileiras. “A questão da mudança climática não vai chegar. Ela já chegou nas comunidades indígenas. Precisamos estar atentos para esses acordos entre todas as nações do mundo. Para ser cumprida, de fato, a parte da legislação brasileira sobre a mudança do clima”, pediu a indígena, que fez o discurso na sede da entidade que coordena, o Conselho Indígena de Roraima (CIR), em Boa Vista.

Ainda sobre as mudanças climáticas, Vale afirmou que a preservação das florestas são importantes para os indígenas de todo o planeta, não apenas os brasileiros. “Não isentamos a questão dos direitos. Não está desconectado da gestão do território. As mudanças climáticas, como é chamada nos grandes eventos como a COP e este tão importante de hoje, é chamada pelos povos indígenas de a transformação do tempo”.

Sineia lamentou que os diversos grupos indígenas brasileiros não tenham assento nos espaços que legislam sobre o tema no país. “É muito difícil para nós, pois quando há um debate tão importante sobre a mudança climática, não temos acesso aos diferentes espaços onde esses temas são debatidos. Portanto, não conseguimos passar nosso conhecimento ancestral e tradicional”.

Ela participou do painel “Ação Climática em Todos os Níveis”, mediado por Michael Regan, administrador da Agência de Proteção Ambiental dos EUA. Durante o encontro, que não teve a participação de Biden, a ambientalista denunciou a perseguição aos povos indígenas no Brasil, sem citar Salles, Bolsonaro e outros nomes do atual governo.

Quem é Sineia Wapichana

Além de coordenadora do CIR, Sineia é figura central na fundação e administração de outras entidades que cooperam para o reconhecimento de territórios indígenas e também realizam pesquisas científicas, como o Comitê Gestor da Política Nacional de Gestão (PNGATI), do qual foi coordenadora da Câmara Técnica de Mudanças Climáticas.

Vale, que também é integrante do Comitê Indígena de Mudanças Climáticas da Articulação os Povos Indígenas do Brasil (Apib), organizou, em 2014, o estudo “Amazad Pana’Adinham: percepção das comunidades indígenas sobre as mudanças climáticas. Região Serra da Lua – RR”, a primeira publicação indígena brasileira sobre mudanças climáticas.

Com informações: Brasil de Fato

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts