Com piora da pandemia, migração de venezuelanos para os EUA bate recorde.

Compartilhe nosso conteúdo!

Cerca de 17.306 venezuelanos cruzaram a fronteira dos EUA de forma ilegal desde janeiro deste ano.

Milhares de venezuelanos deixam o país em busca de refúgio nos Estados Unidos.

Só em maio de 2021, 7.484 venezuelano foram interceptados cruzando a fronteira do México com os Estados Unidos, segundo a Patrulha de Fronteira norte-americana. O número é o maior dos últimos 14 anos, quando os registros foram iniciados.

Segundo a AP, a principal causa do êxodo se deve à crise econômica enfrentada pela Venezuela, que registra escassez de medicamentos e alimentos, além de apagões. Outro motivo é a oposição ao presidente, Nicolás Maduro. Muitos têm medo de serem perseguidos e presos pelo governo.

Ao todo, cerca de 17.306 venezuelanos cruzaram a fronteira sul dos EUA de forma ilegal desde janeiro deste ano. No entanto, eles já deixaram a Venezuela há anos e estavam vivendo em outros países. Desde que Maduro assumiu a Venezuela, em 2013, quase 6 milhões de venezuelanos deixaram o país.

Com a crise que surgiu como consequência do descontrole da pandemia da covid-19 na América Latina, os imigrantes venezuelanos tiveram de se realocar. Mais brasileiros, equatorianos e indianos, entre outros, também chegaram aos EUA este ano.

Dados do governo norte-americano mostram que 42% das famílias encontradas na fronteira do México com os EUA em maio vieram de outros países além do México. Nesse mês, foram encontrados mais de 180 mil migrantes, um recorde de duas décadas que inclui as repetidas tentativas de cruzar a fronteira.

Comparado com outras nacionalidades, migrantes venezuelanos têm algumas facilidade para obter asilo. Além de terem uma situação financeira mais sólida e maior nível de educação, as políticas de imigração dos EUA tornam a deportação quase impossível.

A maior parte dos cidadãos da Venezuela entra nos EUA pela região de Del Rio, se entrega aos agentes da fronteira e pede asilo. Ao mesmo tempo, contrabandistas de pessoas que se dizem “agentes de viagens” se espalham pelo Facebook. Eles oferecem transporte para os EUA em troca de cerca de US$ 3 mil.

Só no mês de março deste ano, o presidente norte-americano, Joe Biden, concedeu proteção temporária a cerca de 320 mil venezuelanos. Essas pessoas ficam autorizadas a trabalhar legalmente nos EUA e não são deportadas.

Quase todos os venezuelanos que chegam aos EUA e pedem asilo tendem a ter sucesso. Só 26% dos pedidos de asilo de cidadãos do país da América do Sul foram negados este ano. No geral, para imigrantes de toda as nacionalidades, a taxa de rejeição fica em torno de 80%, segundo com o Transactional Records Access Clearinghouse da Universidade de Syracuse. Eis a íntegra do relatório (236 KB).

REFUGIADOS NO MUNDO

A pandemia de covid-19 fez com que 1,5 milhão de pessoas em todo o mundo deixassem de procurar refúgio fora de seu lugar de origem ou de pedir asilo. Mesmo assim, o número de refugiados é o maior de que se tem registro: são 82,4 milhões, segundo relatório do Acnur (Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), divulgado em 18 de junho de 2021. Os dados são de 2020.

Os países em desenvolvimento são responsáveis por receber 86% dos refugiados do mundo, segundo o relatório. A Turquia lidera, tendo acolhido quase 3,7 milhões. Mais de dois terços (68%) de todos os refugiados vieram de 5 países: Síria (6,7 mi), Venezuela (4 mi), Afeganistão (2,6 mi), Sudão do Sul (2,2 mi) e Myanmar (1,1 mi).

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts