Venezuela tende a atrapalhar tentativa do PT de voltar ao Planalto.

Compartilhe nosso conteúdo!

por Paulo Silva Pinto – Poder360

A eleição de 2022 se parece com a de 2002 para o PT. Há 19 anos o partido queria conquistar o Planalto depois de 3 derrotas. Fez um esforço inédito para levar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva ao centro. Deu certo. A essa vitória seguiram-se outras 3 dos petistas.

A preocupação centrista foi perdendo importância nas campanhas presidenciais da legenda. Nunca foi tão tênue quanto na de 2018. Pode-se argumentar que na época o esforço seria inútil diante da força que passou a ter anti-petismo. O fato é que a campanha mais à esquerda para o Planalto foi derrotada.

Em 2022, o desafio é semelhante ao de 2002. A estratégia de moderação tende a voltar. O eleitor de centro está menos resistente ao PT com o desgaste do governo Bolsonaro e com a anulação pelo STF (Supremo Tribunal Federal) das condenações de Lula em Curitiba. Além disso não há um candidato de centro forte, com mais de 6% de intenções de voto no 1º turno segundo pesquisa do PoderData feita de 12 a 14 de abril. Lula chegaria à frente do presidente Jair Bolsonaro no 1º turno e o venceria no 2º se a eleição fosse hoje, mostra o levantamento. Até as urnas será um longo caminho.

O esforço centrista tende a passar pela escolha de um candidato a vice-presidente do mundo empresarial, como fez Lula ao buscar para a chapa José de Alencar (1931-2011).

A busca da moderação deveria passar também pela revisão do apoio do partido ao regime de Nicolás Maduro na Venezuela. A eleição em 2018 e a posse em 2019 não foram reconhecidas pela OEA (Organização dos Estados Americanos). Na do Legislativo, no fim de 2020, 80% dos eleitores não votaram.

Os EUA querem a saída de Maduro. Antes isso significava o republicano Donald Trump. Agora é o democrata Joe Biden. Ele criticou Bolsonaro durante a campanha no ano passado. O presidente brasileiro torceu deliberadamente pela vitória de Trump. É estranho que o PT fique à vontade para chamar a posição de Biden sobre a Venezuela de imperialista. Ele defende pressão multilateral para que Maduro deixe o poder.

Pode-se argumentar que política externa é algo que interessa a poucos eleitores brasileiros. É fato. Mas também é bom lembrar que todo voto conta. Ainda mais em eleições apertadas. Dilma Rousseff (PT) venceu Aécio Neves (PSDB) por 3,5 milhões votos em 2014. Não é possível antever como será 2022.

Bolsonaro sabe o quanto esse assunto tende a atrapalhar o PT. Demonstração disso foi a visita que fez a venezuelanas que moram na periferia de Brasília. Disse que na Venezuela não há mais cachorros na rua, porque, com a escassez de alimentos, foram todos comidos por parte da população. Isso tende a ser repetido. Muita gente dirá que não é verdade. Mas, sendo ou não, o estrago para o PT pode ser considerável.

ERRO COM CESARE BATTISTI

O caso de Cesare Battisti é eloquente. Ele foi defendido por anos pela ala mais à esquerda do PT. Negava ter cometido assassinatos na Itália como militante de esquerda, pelos quais foi condenado. Lula concedeu-lhe asilo político. Depois da vitória de Bolsonaro, Battisti fugiu para a Bolívia. Foi preso pelo presidente esquerdista Evo Morales e extraditado. Na Itália, confessou os crimes.

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts

look at these guys tube
hardcore footfetish in black stockings. seeking porn
naked amateurs dancing.xxx-videos.monster