A poeira tem que baixar

Compartilhe nosso conteúdo!

A Coluna de hoje | publicada 00h12

Uma das complicações da política roraimense é que a poeira não baixa. Tinha que baixar por gravidade. A poeira em volta do governo, levantada por ele mesmo, continua subindo — porque dona Suely está mais preocupada em escavacar o passado nuvioso de Anchieta/Chico do que propor novidades.

O grupo que assumiu o Governo de Roraima em 1º de janeiro, desembarcou de mãos vazias no Palácio Hélio Campos. A preocupação, claro, ocupar primeiro os cargos, depois fuçar a vida do antigo inquilino. Não nos brindou com um velho e bom projeto de governo, o que todos fazem. Tempo teve demais, entre a eleição, a transição e a posse. E o inconveniente disso é que deixa de existir a opção de esperar que a poeira baixe antes de tomar decisões, como recomenda a sempre tão prudente sabedoria popular.

A população está ansiosa, ainda, para ouvir o que o governo tem de prioridade. O que será da educação, da segurança, da saúde – sempre caótica –, saneamento básico, agricultura capengante, enfim, até agora só testemunhamos nomeações desastrosas e um falatório intenso sobre o que fazer do sistema prisional.

O Governo não tem um projeto de gerência. Tudo caminha para o modelo caótico do PT, a sina do projeto de poder, que é apossar-se da estrutura pública para se manter no topo. Antes de se desmanchar uma nuvem já vem outra, e se o governo ficar esperando o ambiente clarear, feito tatú, corre o risco de passar a vida sem fazer nada.

No momento, com a catástrofe que o Palácio se deixou moer como picadinho com a festa da parentada nomeada e mais recentemente com o desastre na contratação do ex-deputado João Pizzollati, subiu um poeirão de estrada de barro em tempo de seca. E ao que parece vai ficar aí por tempo indeterminado — e o resultado é que a vida pública roraimense continuará no voo cego que vem fazendo nos últimos sete anos.

Cartas na mesa

Jalser é o centro de um grupo de 16 deputados na Assembleia Legislativa.
Jalser – centro – lidera um grupo de 16 deputados na Assembleia Legislativa.

O reinicio das atividades regulares na Assembleia Legislativa, hoje de manhã, não acende apenas uma nova era porque o presidente é novo. É o restauro de tudo.

O deputado Jalser foi eleito, provido de um projeto político consistente. Além de liderar um robusto grupo de 16 deputados, tem o desafio de estabelecer uma rotina de serenidade com o Palácio Hélio Campos para fazer com que o Estado funcione sem atropelos e aflições.

No recesso, enquanto quase nada germinou no Poder Legislativo, do outro lado da praça, as coisas calharam. E algumas decisões da governadora Suely geraram molesto no meio político, dai, por sucessão, rebate no Poder Legislativo que tem o dever de reparar tudo e limpar o entulho, em nome do povo.

 Rei morto, rei posto

O governo de Suely não pode se ocupar o tempo todo da caça às bruxas, só atribuindo pecados ao Anchieta.

Tem que admitir o bordão, ‘rei morto rei posto’, e assumir de vez a direção do Estado. Não pode permanecer nessa prática funesta de desenterrar defuntos do passado.

Suely: sem projeto de Governo e medidas iniciais impopulares.
Suely: sem projeto de Governo e medidas iniciais impopulares.

E o governo não caminha na direção certa porque assumiu o esqueleto alheio.

Enterra o passado de vez, dona Suely. Diga para a sociedade o que você veio fazer, principalmente aos 127.161 eleitores que acreditaram no seu juramento.

Cozinhando o galo 

Olha, o ex-governador Neudo Campos fez confidencias interessantes a um deputado federal. Vai aguarda os próximos 90 dias para a partir daí diagnosticar tudo e dar um prognóstico. E ver que tipo de remédio aplicar no doente.galo_heroi_02

A finalidade é juntar dinheiro, sanear o caixa do governo e aferir com precisão a qualidade dos auxiliares escolhidos em janeiro. Quem deu resultado, fica.

Ai dará início aos disparos. Quem não mostrou serviço – inclusive os filhos – será evacuado.

Aliança com deputados

O governo de dona Suely começa testar os ingredientes do jogo político a partir de hoje, com o reinício dos trabalhos legislativos na Assembleia.

Em desvantagem aberrante – porque só conta inicialmente com 8 deputados e isso não lhe dá garantia de nada – vai ter que acalcanhar as sandálias da humildade, se quiser lograr êxito.

E notaremos se haverá cabo de guerra logo ali, quando começarem as sabatinas e votações dos indicados pela governadora para dirigentes da administração indireta.

Jogo político

Suely e seu fiel e devotado escudeiro – o marido Neudo Campos – terão que apetecer o tempo, e ver como se acomodam os 24 deputados no jogo político.

Neudo vai esperar os resultados. Quem não mostrou serviço em 90 dias, sai.
Neudo vai esperar os resultados. Quem não mostrar serviço em 90 dias, sai.

O certo é que Jalser e seu exército reinam, dominam o território sem resistência. Mas como a política e seu jogo impõe um regime de beligerância, sempre, – principalmente aqui no lavrado – esperar será a estratégia mais prudente.

E não precisa coagir ninguém nem empenhar o que não tem. Ai se houver baixas e fragilidades no meio do combate, não custa nada acolher o abatido em seu berço.

Está em nossa natureza humana essa inclinação pelo jogo – quando estamos em grupos, ou quando existe uma disputa por “prêmios” (promoções, simpatia do chefe, financiamento de um projeto, conquista de um contrato e assim por diante) que podemos ganhar ou perder…embora algumas culturas promovam mais os jogos políticos do que outras, praticamente todos os grupos políticos em Roraima tem uma ecologia de jogos – um padrão que se forma com o tempo e passa a dominar determinado ambiente.”

O voo de Luig

O paraquedista aventureiro Luig Cani – aquele das manobras radicais pelos céus do mundo – deixou ontem o Hotel Aipana rumo à Venezuela.

Luig exibe o equipamento antes de embarcar para a Venezuela. Post Instagram.
Luig exibe o equipamento antes de embarcar para a Venezuela. Post Instagram.

Antes de partir – revelou em sua conta no Instagram – que o destino é o Salto Angel e o nosso Monte Roraima.

Vai realizar um documentário para uma série chamada “Elemento Ar”, para o canal fechado OFF/TNT e para o Fantástico da rede Globo.

E nós, roraimenses e apaixonados pelo nosso montão misterioso, agradecemos ao Luig pela divulgação que fará de um dos pontos turísticos mais belos e visitados da atualidade.

Pizzollati Brasil afora

A nomeação estapafúrdia de João Pizzolatti pata a tal Secretaria Promoção de Investimentos do Governo de Roraima, ecoou do Caburai ao Chuí.

João Pizzollati:  o homem bomba do Governo de Suely.
João Pizzollati: o homem bomba do Governo de Suely.

E na maior cara de banha, Pizzollati ainda debochou ao ser inquirido sobre o assunto: “olha, eu fui convidado pela governadora e pelo marido dela, que foi governador e deputado federal comigo. A Suely foi deputada federal comigo. Quando eles souberam que não fui candidato, me provocaram. Achei interessante, já que vou ficar quatro anos fora da máquina pública. Aceitei o desafio”.

Como diria meu amigo Izaias Maia – agora deputado. “É brincadeira, meu patrão!”

Chiqueiro de porco

Agora o que emporcalhou mais ainda essa opção por João Pizzollati – o traquina – foi o maravilhoso glossário do secretário de Comunicação de dona Suely.

Diz que Pizzollati vem socorrer Roraima diante da escassez de dinheiro, visto que o gestor anterior deixou minguados R$ 91 mil na conta única do Estado. E mais de R$ 65 milhões em restos a pagar – contando com a Folha de Pessoal.

E daí – como diria na gíria -, ‘e o Kiko’? Roraima tem gente melhor que Pizzollati, com tempo de Brasília igual ele e com credibilidade de bater às portas dos órgãos públicos sem ser barrado, ou medo de ser preso.

Pizzollati não salvará Roraima de uma eventual desgraça por falta de dinheiro. O que levará Roraima ao rego são medidas inoportunas como essa de sua nomeação.

Coitadinhos

Depois que incisou o salarinho minguadinho dos miseráveis do Crédito Social, eis que a secretário do Trabalho abrolha com uma decisão espetacular.

Ela avisou que a partir de agora o processo de recadastramento das famílias – que começa hoje, 19 – será feito em um ambiente mais humanizado, com ar-condicionado. Que bonitinho…

Ah, essa notícia é realmente boa. Os que se enquadrarem nos novos critérios do programa, receberão seus R$ 120,00 retroativos a janeiro. O pagamento recomeça no mês de abril.

Foi-se o tempo

A prefeita Teresa Surita não completou a reforma das praças boa-vistenses no tempo apontado para a conclusão das obras.

Iniciadas no ano passado, teriam que ser entregues em dezembro. Na verdade a Prefeitura não está fazendo melhora nenhuma, praticamente teve que construir de novo as praças, porque ficaram abandonadas nos últimos sete anos da administração do mestre Iradilson. Mas peca pela falta de compromisso no cronograma de entrega.

A Praça da bandeira, bem no centro da cidade, ainda vai levar uns meses. E a população do lugar virou um téu-téu com tanta demora.

Cadê a PEC 111?

A tal PEC 111 – mais tarde rebatizada de emenda 79 – simplesmente evaporou. Era muito pai para pouco menino.

Ocorre que até agora não está devidamente elucidado o principal gargalo: quem tem ou não direito ao tão sonhado enquadramento nas tetas da união.teta

Só sei que no auge da campanha eleitoral do ano passado, a danada da PEC estava em demonstração nos palanques como se fosse a taça da Copa do Mundo.

Passou a campanha, veio o carnaval e como tudo no Brasil, a PEC caiu no esquecimento.

Agora são cinzas

Se em 2014 foi ruim para a economia local – aqui vivemos do contracheque como a base do nosso desenvolvimento – janeiro e fevereiro não serão diferentes.

Os primeiros números mostram que a arrecadação será equivalente a do ano passado. Em janeiro de 2014 Roraima recebeu R$ 186 milhões em repasses do FPE. Este ano, R$188 milhões.

Em fevereiro do ano anterior o crédito foi de R$ 197 milhões. E este ano o Estado recebeu na primeira parcela do FPE de fevereiro apenas R$ 126 milhões. E ao que parece, não chegará a R$ 200 milhões no final do mês.

O governo tem todo o direito de chorar. E a mágoa maior é que a arrecadação do ICMS caiu entre 4% e 15%, já descontada a inflação.

Partido Novo, de novo

Camila Vasconcelos: Partido Novo em Roraima.
Camila Vasconcelos: Partido Novo em Roraima.

Pelas providências da médica Camila Vasconcelos, uma nova agremiação política abre suas portas para o mercado eleitoral roraimense.

Chama-se Partido Novo e sua apresentação se dará hoje, a partir das 20 horas, em reunião que acontecerá no auditório do Hotel Uiramutan.

A julgar pelas aspirações da jovem dirigente, o PN terá um quadro em sua maioria juvenil. Para mais informações é só acessar: www.novo.org.br.

CONTATOS: www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – whatsapp: 98122-3345 – Facebook: Peronnico Expedito

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts