Avanço da Covid no Amazonas obriga Denarium montar barreiras sanitárias no Jundiá e no Aeroporto.

 Avanço da Covid no Amazonas obriga Denarium montar barreiras sanitárias no Jundiá e no Aeroporto.
Compartilhe este artigo

There is no ads to display, Please add some

O avanço da Covid no vizinho Estado do Amazonas obrigou o governador Antonio Denarium tomar providências imediatas e urgentes para barrar a propagação da doença em Roraima.

Em coletiva de imprensa hoje (12) pela manhã, Denarium anunciou que nos próximos 20 dias serão restabelecidas as barreiras sanitárias na divisa com o Amazonas e no Aeroporto Internacional de Boa Vista a fim de monitorar o trânsito de pessoas.⁣

Isso ocorre devido ao aumento de casos de coronavírus no estado vizinho e a pressão hospitalar em Roraima que beira o colapso, segundo o secretário de Saúde, Marcelo Lopes.

As barreiras devem ser montadas nos próximos 10 dias. Um ofício foi enviado ao Governo Federal para que as medidas sanitárias sejam efetivamente cumpridas. 

Nessa segunda-feira (11), Roraima chegou a 69.888 confirmações e 795 mortes pela doença. O estado vizinho rgistra 216.112 casos e 5.756 óbitos pelo vírus.

De acordo com o secretário, a partir desta semana, o Hospital Geral de Roraima (HGR) receberá mais 40 leitos, sendo 20 de terapia intensiva e outros 20 semi-intensivos. A ideia é retirar pacientes não contaminados pelo coronavírus e distribuí-los em unidades de saúde estaduais, rede privada e hospitais do interior.

“É um conjunto de medidas. A estratégia é transformar o HGR exclusivamente para pacientes com Covid. Vamos tirar a população não Covid do contato com a unidade. [A mudança ocorre] a partir de agora, já está valendo, estamos tomando as medidas a partir de hoje”, garantiu o secretário.

Sobre a Área de Proteção e Cuidados (APC), o Hospital de Campanha, o gestor disse que aguarda finalizar os trâmites para que a unidade volte a operar. O prazo para que isso ocorra é até 5 de fevereiro, quando haverá de 80 a 100 leitos de enfermaria.

Na última semana, o Ministério Público do Estado de Roraima (MPRR) acionou a Justiça para que obrigue o Estado a disponibilizar 50 leitos na unidade, desativada no ano passado. Segundo o órgão, a medida é para evitar impactos mais severos no sistema de saúde. O juiz Phillip Barbieux Sampaio optou por audiência de conciliação.

Com informações: Roraima em Tempo

peronico

http://peronico.com.br

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Posts Relacionados

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: