CLIMA TENSO | Maduro põe tropas e blindados em Santa Elena e fecha fronteira com o Brasil.

Compartilhe nosso conteúdo!
A Coluna de Hoje | Publicada 00h30
Tanques de guerra da Vanezuela estacionados em Santa Elena.

O regime de Nicolás Maduro anunciou ontem o fechamento da fronteira da Venezuela com o Brasil, em Roraima (Pacaraima), por tempo indefinido, a partir das 20 horas. A decisão de Caracas é uma resposta à operação de ajuda humanitária do governo brasileiro aos venezuelanos, a partir de Pacaraima, amanhã (23).

Na quarta-feira 20, a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) deslocara militares e blindados para Santa Helena de Uairén, a 15 quilômetros de Pacaraima. Caminhões carregando tanques passaram diante da fronteira com o Brasil, ontem, onde se posicionaram bem na linha que divide os dois países.

Na terça-feira 19, o Palácio do Planalto anunciou o deslocamento de ajuda humanitária brasileira para Pacaraima, de onde será conduzida em caminhões dirigidos por cidadãos venezuelanos ao país vizinho.

O regime de Maduro já fechou as fronteiras com a Colômbia e com as ilhas holandesas no Caribe para impedir o ingresso de alimentos e remédios para os venezuelanos. Amparado na lealdade dos militares, o presidente da Venezuela considera esses carregamentos como pretextos para uma invasão do país pelas forças dos Estados Unidos.

A atitude do Palácio de Miraflores, sede da presidência venezuelana, desafia o chamado feito pelo líder oposicionista Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, pelo envio de ajuda internacional ao país, mergulhado em recessão, hiperinflação e desabastecimento há anos.

Guaidó definiu o sábado, 23, como o dia de ingresso dos carregamentos pelas fronteiras com o Brasil, Colômbia e Curaçao. Também convocou o show internacional “Ayuda Venezuela” em Cúcuta, cidade colombiana na divisa, na sexta-feira, 22, para motivar a coleta de doações para os venezuelanos.

O risco de violência nessa divisa é considerado alto. A pressão do governo dos Estados Unidos sobre o regime de Maduro têm aumentado paulatinamente, por meio de sanções e declarações de autoridades. Com agências internacionais.

Plano de ajuda está mantido
A ajuda humanitária para a Venezuela estocada em Boa Vista.

O porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, afirmou ontem que a segurança na faixa da fronteira do Brasil com a Venezuela é “normal”. Segundo ele, não houve ‘mudança de comportamento’ após o anúncio do presidente venezuelano Nicolás Maduro de que o acesso ao Brasil seria fechado a partir das 20h.

Rêgo Barros também disse que está mantida a previsão de entrega de ajuda humanitária – alimentos e medicamentos, principalmente – a venezuelanos a partir de amanhã, 23, na fronteira da cidade roraimense de Pacaraima com o país vizinho.

“Caminhamos de forma alinhada com o governo de Roraima para dirimir qualquer problema”, afirmou.

‘Tensão não inibe ajuda’, diz Denarium
Denarium reunido com o ministro Ernesto Araújo, em Brasília.

O governador Antônio Denarium (PSL), disse ontem acreditar que, embora crie um “clima tenso” na região, a decisão do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro de fechar a fronteira com o Brasil não impedirá a entrega de alimentos e medicamentos aos cidadãos do país vizinho.

Denarium deu a declaração depois que o presidente da Venezuela anunciou o fechamento da fronteira com o Brasil a partir das 20 horas de ontem (21h pelo horário de Brasília). Denarium está em Brasília, onde discutiu com o governo federal a entrega de ajuda humanitária aos venezuelanos, anunciada pelo Palácio do Planalto na terça-feira (19).

Para o governador, um dos reflexos do fechamento da fronteira será a entrada de venezuelanos no Brasil por fora dos pontos oficiais de controle. “A fronteira é seca. Então, se uma pessoa não quiser passar pela fronteira, onde é o local oficial, passa pelas ‘laterais’. Temos 1.850 quilômetros de fronteira”, disse.

“Não vai impedir a distribuição da ajuda humanitária. Acredito que, mesmo que esses gêneros alimentícios e medicamentos estejam em território brasileiro, não teria dificuldades em distribuir isso entre os venezuelanos, mesmo com a fronteira fechada. É atravessar e pegar a ajuda”, disse o governador

‘Preocupação com os brasileiros’, diz Chico
Chico disse que o fechamento da fronteira e muito preocupante.

O senador Chico Rodrigues (DEM) disse ontem  que “esse fechamento [da fronteira] assusta”.

“Os veículos de guerra venezuelanos já estão a caminho de Pacaraima [cidade brasileira na fronteira]. Eles estão fechando para impedir a entrada da ajuda humanitária. Isso nos assusta e nos preocupa muito, porque o [Nicolás] Maduro está fazendo os acenos dele.”

O senador criticou a postura do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

“Ele querer garantir ajuda humanitária é uma coisa. Mas quando ele fala em ‘aconteça o que acontecer’, acho precipitado e irresponsável”.

O parlamentar acrescentou: “Nossa preocupação é com a integridade dos brasileiros que vivem na fronteira. Eu não sei quem no governo de Jair Bolsonaro está fazendo, se é que vai fazer, essa diplomacia”.

Repúdio a um agressor
Instante que mulher é empurrada pelo fiscal. Foto | Reprodução TV RR

A prefeita Teresa Surita (MDB) manifestou sua mais profunda revolta e repulsa ao ato covarde praticado por fiscal da Emhur, contra uma senhora grávida por ocasião do cumprimento de uma ordem de reintegração de posse bairro Paraviana.

Quando a máquina destrói o telhado, a mulher se afasta dos escombros e é nesse momento que o fiscal sinaliza com a mão, avança para cima dela e a empurra nas costas. A vítima caiu de barriga no chão, onde permaneceu por 37 segundos, até se levantar.

Logo após o ocorrido e pela repercussão que tomou nas redes sociais, a Prefeitura se manifestou por meio de nota:

“A Prefeitura de Boa Vista informa que não compactua com nenhum tipo de abordagem agressiva ou violenta e lamenta o ocorrido. A EMHUR informa que afastou o fiscal envolvido na denúncia de agressão e determinou a abertura de PAD para apuração e resultados das responsabilidades”, diz a nota.

Há certa contradição no PRB 
Renato voltou a atacar Disney Mesquita, em discurso. Foto | SupCom ALE

Percebe-se que o deputado Renato Silva (PRB) elegeu o chefe da Casa Civil de Antônio Denarium, Disney Mesquita, como seu principal algoz na Assembleia.

O que denota certa contradição na linha de apoio do Partido, dirigido pelo senador Mecias de Jesus, ao Governo, porque soa incoerente o discurso de Renato diante da aliança do PRB com Denarium.

O próprio Mecias foi um dos mais sinceros aliados de Denarium na campanha e quem mais indicou congregados seus para cargos de destaque na atual gestão. Mas Renato segue na contra-mão dessa aliança política PRB-PSL.

Ontem mais uma vez alinhou se canhão na direção do Palácio e avisou que enquanto for deputado não deixará Disney Mesquita sossegado. “Um dia sequer”, disse

Teve gente perguntando nas galerias: ‘por que tanta fúria contra o chefe da Casa Civil?’. Só Renato Silva tem a resposta.

‘Calouros’ mostrando serviço
Jefferson, pelo visto, será corriqueiro na tribuna. Foto | SupCom ALE

Os ‘calouros’, deputados estaduais novatos – são 10 ao todo – parecem querer mostrar serviço nesse início de temporada.

Ocorre que pela pressa em se exibir acabam pecando pelo excesso de pronunciamentos irrelevantes, na maioria falando de si mesmo, de seus sonhos, etc e blá,blá,blá.

Desde que a Assembleia retomou os trabalhos de plenário, os novatos são os que mais falam. A tribuna de um Parlamento é um local para debates proeminentes, não para exibicionismo apenas.

A difícil tarefa de Chagas
Chagas é o novo líder do Governo Denarium na Assembleia.

Apesar da experiência acumulada nos seus dois mandatos seguidos e pelo conhecimento de quem já foi vice-presidente da Casa, não será nada fácil a tarefa do deputado Coronel Chagas (PRTB).

Ele terá a árdua missão de proteger de Antônio Denarium (PSL), na condição de líder do Governo na Assembleia.

O próprio Chagas tem ciência de que a empreitada não será fácil, pois como caixa de ressonância da população, a Assembleia será palco de várias rebeliões populares anti-governo nesse momento de crise.

Desde a reabertura dos trabalhos, depois do recesso, o Governo de Denarium tem servido de saco de pancada no Plenário e nas galerias. Um fardo e tanto para ser carregado pelo coronel.

A maturidade do garoto
Neto Loureiro fez sua estreia ontem na tribuna da ALE. Foto | SupCom ALE

Neto Loureiro (PMB), o mais novo parlamentar entre os 24 com assento na Assembleia – na verdade um garoto que vai completar 24 anos agora no mês de março – fez ontem sua primeira exibição na Tribuna da Casa.

Como os demais iniciantes na carreira política, Neto foi modesto no discurso rápido, porém deixou de cara uma reflexão para os que duvidarem de sua capacidade por conta da pouca idade.

“Mesmo sendo o parlamentar mais jovem, demonstrarei durante o meu mandato que tenho sabedoria e vontade para trabalhar pelos interesses do povo de Roraima. Ressalto que idade não traduz maturidade, pois nem todo jovem é rebelde, e nem todo velho é sábio”, disse.

O barulho continua 
Jalser reunido com líderes sindicais em busca de saídas. Foto | SupCom ALE

Concurseiros, terceirizados, servidores ameaçados de perder benefícios, gente que passou em concurso e não foi chamado. Esses grupos de pessoas são incansáveis na hora de reivindicar.

E até encontraram guarida no presidente da Assembleia Legislativa, Jalser Renier (Solidariedade) que ontem abriu as portas do plenário para abrigar um debate sobre a situação do Estado.

É gente querendo concurso, terceirizados que não recebem salários há 9 meses, pessoal que passou em concurso e não foi chamado, um amontoado de pessoas desesperadas e ameaçadas porque não vê perspectiva no Governo.

O esforço é estimável, porque todos reivindicam ali direitos que os Estado por hora não os concede. Difícil será realizar algum desejo diante da condição falimentar em que se encontra Roraima atualmente.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – emails: peronico.27@gmail.com / blogdoperonico@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.
Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts