CRATERAS NAS RUAS: Prefeitura embarga obras irregulares de esgoto sanitário.

A Coluna de Hoje | Publicada 00h05

Obras irregulares são notificadas e embargadas pela Prefeitura. Fotos | Secom PMBV

A Prefeitura de Boa Vista embargou duas obras de esgoto localizadas no bairro Caimbé e Cambará, de responsabilidade do Governo, porque estavam irregulares e em desconformidade com o que manda a legislação.

A ação levou em consideração o fato de as empresas Renovo e Centro Norte estarem com os alvarás vencidos, situação impeditiva para a realização de atividades dessa natureza.

Outra situação foi a questão da estrutura precária com que foram deixadas as ruas após as intervenções das empresas, totalmente sem sinalização, com várias crateras, entulhos, calçadas quebradas, placas de trânsito danificadas, orelhões retirados, tudo isso um mês antes do período chuvoso quando os moradores sofrerão todas as consequências em decorrência da falta de planejamento.

A prefeita Teresa Surita também esclareceu para a população que a iniciativa visa cobrar transparência, rapidez e eficiência na execução dessas obras para que no período de inverno as famílias não sejam ainda mais afetadas com lama, alagamentos e todo tipo de transtorno de uma obra inacabada.

“Sabe muitos desses buracos e valas abertas em vários bairros da cidade? Eles são de obras de esgoto feitas por empresas contratadas pelo Governo do Estado, mas que estão atuando sem alvará, sem planejamento, rasgando o asfalto de ruas inteiras, de um lado a outro, e sem fazer o devido reparo que a lei determina e que já pedimos inúmeras vezes. Ainda deixam entulhos, não finalizam as obras, quebram calçadas, destroem sinalização de trânsito, quebram drenagem e tudo isso atrapalhando o trabalho preventivo que fazemos para o período chuvoso”, escreveu. Fonte | PMBV.

Teresa fala com Denarium

Teresa reclama da falta de compromisso das empresas.

A prefeita disse que diante dessa situação absurda, a Prefeitura notificou as empresas responsáveis e espera que medidas sejam tomadas com urgência. “Este descaso é inadmissível! E muitas vezes fica na conta da prefeitura, como se não fizéssemos o nosso trabalho”, protesta.

“Quero deixar claro que falei com o governador Antônio Denarium e ele se colocou à inteira disposição para nos ajudar e requerer das empresas e da Secretaria de Obras do Estado que atuem dentro da legalidade pois o prejuízo pra população e pra prefeitura é imenso. Essa são obras irregulares de empresas que trabalham sem nenhum planejamento contratadas pelo governo do estado e que causam esses transtornos para toda população. Estamos tomando providências em todos os sentidos para garantir que façam a obra corretamente respeitando o cidadão”, disse a prefeita.

Obras já deveriam ter sido concluídas

Empresas abrem e deixam as crateras abertas nas ruas.

O secretário de obras Ramildo Costa explicou também que estas obras são de responsabilidade da Secretaria de Estado de Infraestrutura e que a prefeitura precisa emitir o alvará para que a obra aconteça.

Como as obras estão com o alvará vencido, ocorre também a falta de prestação de contas dos relatórios de serviços que estão sendo realizados nos locais.

“Essas obras já deveriam ter sido concluídas há algum tempo e nós temos feito um acompanhamento sistêmico desse processo devido a muitas reclamações dos moradores das imediações. As empresas não têm cumprido os cronogramas e em alguns casos danificam o sistema de drenagem e não apresentam projetos para reparos.  Por isso a obra foi embargada e precisamos que apresentem a documentação necessária com as devidas justificativas para que possa ser liberada e concluída”, enfatizou.

Mineração em terra indígena

Mineração em reservas indígenas na mira do Governo. Foto | Funai

O ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou ontem (4) no Canadá que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) planeja permitir a atividade de mineração em terras indígenas e em zonas de fronteira.

Diante de uma plateia formada por investidores e executivos de mineradoras do Canadá e do Brasil, Albuquerque afirmou que essas medidas fazem parte de um pacote de ações com vistas a promover expansão da mineração.

Albuquerque afirmou que o governo está examinando “a possibilidade de estender o acesso” de mineradoras e áreas hoje restritas, citando áreas indígenas e fronteira. E disse que, no primeiro caso, a abertura seria feita após um processo de consulta às próprias populações indígenas, a organizações que tratam do tema e “principalmente o Congresso”.

Guaidó de volta à Venezuela

Guiadó desembarcou ontem em Caracas e já realizou manifestação. 

Juan Guaidó, o autoproclamado presidente da Venezuela, postou no Twitter que já está de volta ao seu país. “Entramos na Venezuela como cidadãos livres, ninguém nos diz o contrário”, escreveu.

Ontem mesmo, em Caracas, Guiadó reuniu apoiadores num ato público contra a ditadura de Nicolás Maduro. Guaidó conclamou o Exército a “deter” os chamados “coletivos” pró-governo que participaram dos enfrentamentos no dia 23 de fevereiro, quando liderou uma tentativa fracassada de ingressar no país com ajuda internacional.

Em uma tentativa de separar as Forças Armadas de outros grupos que apoiam Maduro, ele definiu esses grupos paramilitares como a “última linha de defesa” do governo, reconhecendo todavia que “não podemos definir como um êxito a iniciativa de 23 de fevereiro”.

Guaidó também deixou de atribuir responsabilidade direta pela repressão que deixou sete mortos e dezenas de feridos às Forças Armadas, de cujo apoio ele precisa para efetivar seu projeto de tirar Maduro do Palácio de Miraflores.

Vice-consulado na miséria

Ewerton Oliveira é o Vice-cônsul do Brasil em Santa Elena de Uairen.

O ministro da Relações Exteriores Ernesto Araújo poderia ter ordenado uma ajuda humanitária no quintal de casa quando olhou para Caracas.

O vice-consulado brasileiro em Santa Elena de Uairén, cidade venezuelana que está entre os focos da repressão promovida por Nicolás Maduro, na fronteira com Pacaraima (Brasília), atravessa dias terríveis.

Faltam mão de obra para dar conta da comunidade brasileira e o dinheiro necessário à aquisição de itens básicos, como material de escritório. Tá na pindaíba…

Suspenso o concurso da PM

Governo suspendeu as próximas etapas do concurso da PM.

As próximas etapas do concurso público da Polícia Militar de Roraima (PMRR) foram suspensas por tempo indeterminado. A medida está publicada no Diário Oficial de Esado do dia 28 de fevereiro.

O edital com a suspensão foi assinado pela Secretaria de Estado da Gestão Estratégica e Administração (Segad). O certame prevê a contratação de 400 novos soldados, e somente a prova objetiva – uma das quatro etapas – foi realizada. As outras são testes físico, psicológico e investigação social.

Ainda está previsto a publicação do resultado final da prova objetiva, realizada em dezembro, no dia 20 de março.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – emails: peronico.27@gmail.com / blogdoperonico@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: