Debate de péssima qualidade: Nem as ‘colinhas’ salvaram Suely do fracasso.

A Coluna de Hoje | Publicada 00h23

Suely aparece aqui lendo uma ‘cola’ produzida pela assessoria. Sofrível no debate da TV. Foto | Reprodução Facebook

Se já era sofrível em suas alocuções a governadora Suely Campos (Progressistas) desgraçou-se ontem no debate da TV Roraima. Primeiro porque decididamente não sabe ordenar uma resposta consistente, depois apropriou-se de pequenos pedacinhos de papeis coloridos, com textos marcados, as afamadas ‘colinhas’ para se valer tanto nas perguntas como para determinar os rebates. Leu tudo, mesmo assim de forma hesitante e insegura. Algo sofrível.

As ‘colas’ de Suely fizeram a festa dos internautas. Enquanto o debate se desenvolvia as redes sociais ferviam em gargalhadas por conta do desempenho dela. E quando era acochada um pouquinho mais a mulher exibia precariedade no retorno, e em alguns instantes sequer prescrevia um contragolpe capaz de atrair alguma simpatia para sua candidatura. Suely preferiu apontar a culpa de sua desgraça para os gestores anteriores. E não foi capaz de mostrar o que realmente fez, porque não tem.

O debate na verdade não vai respaldar nenhum dos cinco candidatos como reforço de campanha. De baixa qualidade a discussão não terá interferência nenhuma na eleição, porque não foi capaz de servir de atrativo para ao menos impulsionar o eleitorado indeciso. Pela baixa qualidade fica até difícil uma análise mais apurada sobre o desempenho de cada candidato, contudo, deixou claro que não estaremos bem servidos nos próximos 4 anos.

Suely foi mais que óbvia, vacilante, sem conteúdo e enquanto ela falava, a maioria da população reclamava na frente da TV pelo péssimo Governo que fez, sem investimento, não paga salários em dia, não repassa duodécimo, não paga fornecedor, não foi capaz de colocar Roraima num rumo razoável. Assim mesmo tenta enganar as pessoas como se tivesse feito algo apreciável.

José Anchieta (PSDB) perdeu a grande chance de se consolidar diante de um quadro onde ‘todo mundo’ o considera o menos ruim. Mesmo assim não se armou para sepultar Suely ali mesmo e materializar uma candidatura capaz de atrair mais eleitores para uma eventual vitória no 1º turno. Sequer foi competente para ‘enquadrar’ os demais e pecou tentando se justificar o tempo todo quando suas gestões anteriores eram questionadas. Mas entre todos, Anchieta foi quem se mostrou mais preparado, pelo menos sabe se expressar.

Telmário Mota (PTB) estava como um soldado de infantaria, mesmo sabendo que não tem a menor chance nem de chegar no segundo turno. E perdeu a oportunidade de se oferecer como alternativa. Preferiu ser o Telmário que todos sabemos, o trapalhão que todos conhecem, ou seja, deixou claro que sua candidatura não passa de um embuste.

Fábio Almeida (Psol), o patinho feio da campanha, foi mais didático, porém, como todo esquerdista que se preza, é reacionário e raivoso. Mesmo assim foi simpático, abordou questões pertinentes e não preocupou-se em agredir aos demais. Mas não passa de um figurante quase imperceptível no processo.

Por último veio a decepção maior: Antônio Denarium (PSL), que vem sendo anunciado como o novo, não floresceu como se esperava. Lhe faltou mais arranjo, mais apresto e foi o Denarium da campanha, aquele que não empolga ninguém, com a homilia repetitiva e recheada de coisas vazias. Frio e sem a menor euforia.

A conclusão é que o debate foi muito ruim. O que nós podemos tirar desse debate ruim? O formato de debate clássico já está bem ultrapassado. É um formato que faz com que, de fato, não ocorra um debate. É muito engessado. Ali deu para perceber inclusive que, por causa do formato, o candidato José Anchieta, mais bem avaliado nas pesquisas, tivesse um tempo bem menor para debater as questões, porque foi menos requisitado. Depois a qualidade dos candidatos é péssima, para dizer o mínimo.

Certamente, repito, não assistimos a um debate, mas a um punhado de poucas discussões pessoais, porque nenhum dos candidatos carregava consigo um plano de governo com diretrizes já fundamentadas para os próximos 4 anos, principalmente pela gravidade do momento, porque Roraima, o Estado Jurídico e Administrativo, quebrou. Está fragmentado pela incapacidade administrativa de Suely. Mesmo assim não vimos um embate sobre esse tema tampouco um reconhecimento de Suely de que sua gestão fracassou.

Pacote de maldades

Denarium tem sido vítima de propaganda ofensiva, inclusive ligado-o à facções criminosas.

A turma de Suely concentrou o pacote de maldades contra Antônio Denarium. Chegou ao absurdo de vincular o candidato à uma facção criminosa.

É uma iniciativa exagerada porque todos sabem que Denarium não tem vinculação nenhuma com esses grupos criminosos que atuam no Estado.

Esse tipo de marketing não agrega valor nenhum a quem se dispõe a agredir os adversários achando que terá algum retorno positivo.

Ao contrário causa indignação até nos aliados. O conteúdo das agressões contra Denarium são baixas demais, desprezíveis.

Sem chance 

O Governo de Suely Campos sequer consegue pagar os salários dos servidores em dia.

O Governo de Suely não tem dinheiro para pagar salário nem fez o repasse integral do duodécimo.

Não paga fornecedor, não recolhe contribuição previdenciária, não paga terceirizadas, não paga ninguém, não tem investimento em nada.

Como é que uma mulher que não honra nem o pagamento de salários dos servidores e não cumpre obrigações constitucionais ainda que seguir governando um Estado que ela mesmo colocou no fundo do poço?

ALE sem dinheiro

Sem dinheiro Jalser foio obrigado a fragmentar o pagamento de salários dos servidores da ALE.

Como não repassou o duodécimo integral ao Poder Legislativo, Suely Campos deixou sem salário grande parte dos servidores da Assembleia.

O que forçou o presidente Jalser Renier a fragmentar o pagamento, creditando ontem na conta apenas do servidor que recebem até R$ 3.800,00.

Em nota distribuída à imprensa a Mesa Diretora informa que o restante dos servidores serão pagos assim que o repasse do duodécimo for regularizado por meio de ação judicial, com previsão para esta quarta-feira.

Reforço federal

A Polícia Federal terá reforço para acompanhar a campanha em Roraima nessa reta final.

A Polícia Federal de Roraima pediu reforço ao Ministério da Segurança Pública para evitar que delitos eleitorais sejam cometidos nesta semana que antecede as eleições.

O objetivo é evitar a compra de votos e outros crimes eleitorais, como doação de bens. O reforço deve chegar a Roraima até quarta-feira.

Sabe-se que tem gente graúda prometendo pagar R$ 500 por voto durante a madrugada de domingo em vários pontos de Boa Vista e do interior.

TRE prepara logística

Juízes eleitorais recebem instruções sobre as eleições que acontecem no próximo domingo, 7.

O Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE) realizou ontem uma reunião com os juízes que estão em exercício nas zonas eleitorais ou foram designados presidentes das Juntas Eleitorais de Roraima nas Eleições 2018, conforme a Resolução n° 387/2018. O objetivo foi fornecer aos magistrados uma ampla visão dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos em todo Estado para a realização do pleito.

Na análise da presidente do TRE, desembargadora Tânia Vasconcelos, é preciso coragem para atuar na Justiça Eleitoral. “Não existe uma fórmula para trabalhar no dia das eleições. O juiz precisa estar preparado, ter criatividade e presença de espírito. Ele precisa, sobretudo, estar presente. Isso dá tranquilidade à sociedade e ao eleitor. Precisamos estar preparados para enfrentar, sem excesso, todas as situações que se apresentarem no dia 7 de outubro. Eu acredito que, dessa forma, teremos um pleito tranquilo”, concluiu.

Sem dinheiroOs servidores da Companhia Energética de Roraima estão comendo o “pão que o diabo amaçou”, pois faz mais de dois meses que eles não veem a cor do dinheiro do salário. Pior é que ninguém do governo dá qualquer tipo de informação, passando a impressão de que não há nenhuma vontade de pagar os atrasados.

Mais um calote Suely

Familiares de detentos da cadeia pública fazem comida na calçada do presídio. Foto | Facebook

Informações sobre possível ausência no fornecimento de alimentos para os detentos que cumprem pena na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (PAMC) motivou o Ministério Público do Estado de Roraima (MP) a realizar inspeção na unidade prisional. E foi tudo confirmado. Está todo mundo sem comida.

Na ocasião foi constatado que desde a última sexta-feira, 28, a empresa contratada pelo Governo do Estado de Roraima, Qualigourmet Serviços de Alimentação Ltda., não fornece alimentação para os detentos da PAMC.

A situação é tão grave que levou grupo de mulheres a fazer uma cozinha improvisada em frente a Cadeia Pública de Boa Vista, na tarde de ontem e prepararam comida para entregar aos parentes que estão presos na unidade.

Até às 14h, elas já haviam preparado cerca de dez quilos de arroz, seis de feijão e cinco pacotes de macarrão com a ajuda de outras mulheres.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: