‘Diga ao povo que fico’: Teresa decide permanecer na Prefeitura.

A Coluna de Hoje | Publicada00h23

Teresa fez o anúncio da desistência cercada de aliados e de servidores que lotaram o auditório da Prefeitura.

Certamente Teresa Surita não inspirou-se no Imperador D. Pedro I naquela célebre decisão que antecedeu à proclamação da Independência do Brasil, mas a prefeita de Boa Vista teve ontem (6) o seu ‘Dia do Fico’, ao anunciar que não mais disputará o governo de Roraima, nas eleições de outubro, preferindo cumprir o restante do mandato até 2020.

Tomei esta decisão pensando naqueles quase 80% dos boa-vistenses que me elegeram prefeita. E como prometi cumprir meu mandato, assim o farei. Eu não quero ser vista como alguém que abandonou seus princípios, deixou suas tarefas pelo meio do caminho.

A prefeita mostrava-se emocionada e disse que tem no seu íntimo, no seu coração que ainda será candidata e governará Roraima um dia.

Tenho capacidade para isso. Mas ouvi muitas pessoas, no período da pré-candidatura. Fiz pesquisa, embora eu saiba que esteja à frente nas pesquisas. Muita gente pedia para eu ser candidata. Mas havia também os que me pediam para ficar na prefeitura. Então decidi permanece onde estou porque não quero ser lembrada como a prefeita que renunciou no meio do mandato.

A manifestação de Teresa decompõe o jogo político que se desenhava até então para este ano. Porque com ela o cenário indicava sua eleição com certa facilidade, inclusive já no 1º turno. Sem ela no jogo, o quadro torna-se imprevisível porque os candidatos que se apresentam não reúnem o capital eleitoral suficiente para decidir o pleito.

Depois de pensar muito, ouvindo muito, entendendo que o que me move na política não são desejos pessoais e sim o desejo da maioria das pessoas, tendo consciência que mesmo estando a frente das pesquisas, como sempre faço, pedi a Deus sabedoria para minha decisão final. Entendo também que o tempo de Deus não é o tempo dos homens, com tudo isso quero dizer que continuarei na prefeitura de Boa Vista, cumprindo meu trabalho de construir nossa capital com o compromisso que fiz com os 80% dos votos que recebi nas últimas eleições. Continuarei na vida pública, apenas vou adiar meu sonho para quando terminar minha missão no meu último mandato como prefeita da minha amada Boa Vista. Apesar de ser um sonho e me preocupar muito com Roraima, eu segui meu coração. Nesse momento eu vou continuar prefeita até terminar o mandato. Eu respeito os quase 80% de votos que tive e, por respeito às pessoas que confiaram a mim o seu voto eu continuo prefeita. Quero concluir aquilo que me comprometi a fazer, mesmo sabendo que existe um planejamento e que será feito. Quero ser lembrada como a melhor prefeita que Boa Vista já teve. Nem sempre o tempo de Deus é o nosso tempo. Quero sim governar Roraima e assim farei. Mas agora avaliando o rumo das nossas vidas meu coração indica que esse é o caminho a se tomar. Estou apenas adiando um sonho. Mas reafirmo minha certeza que serei governadora de Roraima um dia. Teresa Surita, prefeita de Boa Vista.

Desejo que veio das ruas

Servidores e assessores aplaudiram Teresa quando ela afirmou que ainda será governadora um dia.

Teresa fez um discurso curto, objetivo e bem técnico politicamente. Com a preocupação de não ferir susceptibilidades, pôs na conta das vozes que ecoaram das ruas para justiçar aquele anunciou da pré-candidatura, em fevereiro.

Minha pré-candidatura nasceu nas ruas com o desejo das pessoas para que concorresse ao cargo de governadora. Mas essas mesmas vozes também me pediam para ficar. Eu preferi então permanecer onde estou”, disse.

Teresa Surita afirmou ainda que continuará na vida pública quando terminar mandato. “Não gostaria que esse mandado fosse interrompido ou ficasse uma marca em que fosse renunciado 80% dos votos que tive”, disse.

Não definiu quem apoiar ao Governo

Teresa anunciou que a princípio não apoiará nenhum candidato ao Governo. Mas dependerá dos acertos.

A prefeita no entanto não pretende ser ‘coadjuvante’ no processo sucessório, embora não tenha definido ainda quem apoiar para o Governo. Disse que vai participar ativamente do pleito deste ano, mas apenas dando apoio ao candidato que seu grupo político lançar ou decidir apoiar.

Sempre à frente das pesquisas Teresa era o nome até aqui mais influente, aceitável e de aceitação incontestável para a disputa do governo. Sua desistência embaralha todas as cartas do jogo político e deixa uma avenida de possibilidades aberta para os postulantes que estão na disputa.

Só deixou bem claro que com o grupo de Suely Campos não tem conversa. Mas não acenou para os demais.

Jucá avalia alianças

Jucá foi enfático sobre possíveis alianças para o Governo. “Menos com Suely”, disse ele.

Questionado sobre quem o MDB apoiará para o governo de Roraima, Romero Jucá [presidente nacional do MDB] disse que ainda tem até o mês de julho para articular alianças. Ele negou que tenha acertado apoio ao ex-governador José Anchieta Junior, conforme a boataria que ecoou nos bastidores da política nessa semana que passou.

“Nosso grupo vai avaliar a situação para ver que passo seguinte tomarmos. Nós temos tempo. A s convenções só terminarão em julho. Até lá teremos tempo para avaliar todos os ambientes e escolher o que é melhor para nós”, disse.

Romero deixou claro que o MDB queria Teresa como candidata, pois todos os cenários eram favoráveis à ela.  “Vou continuar apoiando o trabalho de Teresa e sendo um parceiro de sua gestão. Respeitamos sua decisão e o desejo que ela tem de continuar sendo prefeita de Boa Vista”, disse Romero.

Ao final de todas as entrevistas, Jucá fez questão de evidenciar bem a expressão: ‘Só não coligaremos com Suely. Fazer aliança com ela e seu governo está foram de qualquer cogitação”, afirmou.

A gente respeita essa decisão de Teresa que é de muita responsabilidade. Umas das decisões mais difíceis da vida dela. Ela lidera todas as pesquisas para governo, em todos os cenários possíveis. As pessoas ficariam com sentimento de perda se ela deixasse a prefeitura Ela resolveu valorizar os votos que teve”, avalia Jucá.

Suely esnoba Mecias…

Suely esnobou Mecias ofertando a vaga de senador para o ex-governador Chico Rodrigues.

Em outro cenário, a disputa é intensa em um ambienta de pugna. De repente a governadora Suely Campos decidiu esnobar a candidatura do deputado Mecias de Jesus ao Senado.

Foi capaz, em um gesto de extrema incivilidade, desencoraja Mecias a disputar uma das duas vagas ao Senado, oferecendo-lhe a vaga de vice.

Como já amarou a outra vaga do grupo para a aliada Ângela Portela, Suely tenta enterrar o desejo antigo de Mecias de ser senador, algo que já deveria ter ocorrido desde 2010 quando o PR negou-lhe a vaga.

Sue que tirar Mecias do caminho para fazer sala para o ex-governador Chico Rodrigues que também quer o Senado, concorrendo pelo Partido Progressista a convite do deputado Hiran Gonçalves.

… que se sente traído e pode romper

Sentindo-se traído por Suely, Mecias prometeu anunciar uma posição na próxima terça-feira.

Óbvio que a grosseria de Suely soou como um desacato para Mecias, um dos mais proeminentes aliados dela. A reação de Mecias foi ríspida: “me sinto traído”, disse ele.

“Me convidaram a ficar no grupo para ser vice-governador ou concorrer novamente a deputado estadual indicando quem seria o vice da chapa. Estou me sentindo de certa forma traído, pois não imaginava que dentro do grupo houvesse essa possibilidade de alguém me chamar para não concorrer ao Senado. Não esperava que, depois de ser traído em 2010, fosse agora ser chamado para compor uma chapa de vice”, disse o parlamentar.

Mecias disse que vai dar uma resposta pública ao insulto de Suely na próxima terça-feira, quando fará pronunciamento na Tribuna da Assembleia.

Deve anunciar seu desligamento do grupo. Se o fizer, estará se livrando de fardo ultra pesado, pois união com o governo desgastado de Suely certamente só lhe causará prejuízos.

A desistência de Remídio

Remídio desistiu da candidatura justificando que não suporta mas a corrupção na política.

E a reta final das conversações políticas, vai gerando fatos surpreendentes. O deputado Remídio Monai (PR) revelou ontem que não concorrerá mais à Câmara Federal. Fez o anuncio por meio de nota oficial.

Remédio culpou o descrédito da política e dos políticos brasileiros como razões para a desistência. O que não justifica exonerar-se de concorrer a um novo mandato.

A verdade é que Remídio elegeu-se com folga em 2014 montado no capital eleitoral e na estrutura bem fincada do ex-deputado Luciano Castro, seu principal aliado de então. O que lhe faltará na campanha deste ano.

Empresário bem sucedido do ramo de transporte de passageiro, Remídio prefere dedicar-se aos negócios. Como ele mesmo expressou na nota, “sou um empreendedor, que construí uma trajetória em cima de valores sólidos e muito me orgulho em ser ficha limpa e de ter o nome limpo”.

Luciano despede-se do Ministério

Luciano Castro desligou-se do Ministério dos Transportes para disputar uma vaga de senador.

Luciano Castro também anunciou ontem que se despediu do cargo de secretário Nacional de Infraestrutura do Ministério dos Transportes.

Ele escreveu em nova que “as despedidas são momentos da vida com os quais é difícil lidar, pois, mesmo quando partimos rumo a um destino desejado, uma nova etapa da vida se inicia e, assim, deixamos de ser o que fomos e o que somos, deixando para trás um pouco de nós mesmos”.

Luciano pretende disputar novamente – 4 anos depois – uma vaga de Senador e disse que saia do Ministério a certeza do dever cumprido: “estou certo de que deixei um legado e uma importante contribuição para o Brasil! Agora, uma nova jornada começa: sou pré-candidato ao Senado pelo meu Estado de Roraima!”.

Mais venezuelanos deixam Roraima

Venezuelanos viajaram em avião da FAB com destino a São Paulo e Cuiabá. Foto | Antônio Cruz/Agência Brasil.

Depois de mais de quatro horas de voo, 66 venezuelanos, entre eles 16 crianças (sendo dois bebês de colo), desembarcaram ontem (6) no Aeroporto Marechal Rondon, em Cuiabá, levados pelo programa interiorização de imigrantes.

A iniciativa, da Agência das Nações Unidas para Refugiados e do governo federal, tenta desafogar a capital Boa Vista, que tem sido a principal porta de entrada no Brasil de venezuelanos que saíram dos seu país por causa da crise econômica e política.

Eles foram transportados no voo 767 da Força Aérea Brasileira (FAB). Inicialmente estava previsto que Cuiabá receberia entre 80 e 100 imigrantes, entretanto ao chegarem no aeroporto muitos decidiram seguir viagem para São Paulo. Apesar do cansaço, os venezuelanos que desembarcaram no aeroporto estavam otimistas e curiosos.

O voo foi acompanhado por servidores do governo federal e por um oficial da ONU, Paulo Sergio de Almeida. Segundo ele, antes de deixarem Roraima, os venezuelanos passaram por regularização migratória junto à Polícia Federal – por meio de solicitação de refúgio ou de residência temporária.

Transporte escola paralisado | Os veículos das empresas de transporte escolar que prestam serviço ao Governo de Roraima continuam parados em frente ao Palácio Senador Hélio Campos, por falta de pagamento. Os proprietários dos veículos afirmam que a paralisação é por tempo indeterminado ou até que o Governo efetue o pagamento que está atrasado desde novembro de 2017. A suspensão do serviço começou oficialmente na segunda-feira (2), sendo que desde o dia 27 de março, os empresários já estavam alertando sobre a paralisação. Segundo os condutores, mais de 700 veículos prestam serviço ao governo e cerca de sete mil estudantes estão sendo afetados com a interrupção do serviço. No final do mês passado, os empresários fizeram uma mobilização pedindo que o governo efetuasse os pagamentos de novembro e dezembro. Além disso, aguardavam abertura de empenho para que o serviço fosse regularizado neste ano. Com informações | Roraima em Tempo.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: