Discurso vazio e ufanista de Suely Campos expõe o fracasso que foi seu Governo.

Compartilhe nosso conteúdo!
A Coluna de Hoje | Publicada 00h13m
Suely Campos fez um discurso ufanista como se sua gestão fosse a mais bem avaliada em todos os tempos.

Nesses 3 anos e 10 meses no poder Suely Campos não consagrou-se como governadora, apenas ocupou legitimamente a cadeira principal do Palácio Senador Hélio Campos, por um desses acidentes do destino e pela candura de 127.161 mil roraimenses que a colocaram lá.

Ontem Suely fez um discurso vazio, sem consistência, ufanista sobre o aspecto de realizações que não houve ainda em sua gestão e predominou a irremediável incompetência que mantém a ‘criatura’ de Neudo Campos longe de ideias novas capazes de tirar Roraima do lamaçal que ela mesmo colocou.

O texto lido por Suely na abertura dos trabalhos legislativos apresentou as mesmíssimas opiniões do passado sem que lhe ocorra transformá-las em projetos e em realidades, um verdadeiro insulto à população principalmente aos roraimenses que a elegeram acreditando em suas promessas.

Como se estivesse num palanque, Suely não enunciou nem sequer uma palavra que sugerisse autocrítica diante do desastre que foi seu governo nesses anos todos. Preferiu a bazófia ao afirmar que nunca na história política de Roraima o servidor público foi tão cuidado e falou de avanços nunca antes conquistados.

Satisfeita com as aparências porque mandou ocupar com servidores comissionados e áulicos seguidores todas as cadeiras da galeria principal da Assembleia e apegada a liturgia do cargo que ocupa, Suely certamente continuará cumprindo uma agenda de eventos que lhe garantam visibilidade e a distraiam da angústia de ser a mais impopular governadora de Roraima em todos os tempos.

Não há no mercado político um truque de marketing capaz de recuperar a credibilidade de Suely alcançada nas urnas naquela eleição de 2014 – e esta é a questão essencial – e que jogou no lixo todas as expectativas criadas por ela e sua família quando anunciou no dia da vitória que o povo mandaria no Governo, além do mais peca pela teimosia em não reconhecer seu fracasso.

Com o ruidoso apoio de uma claque liderada por uma dúzia de seus secretários que gritava e aplaudia a cada palavra, Suely caprichou nas referências simpáticas ao Parlamento: “Conto com os deputados para podermos, em parceria, estabelecer novas bases para o desenvolvimento de Roraima, sem retroceder nas conquistas obtidas nos últimos anos”.

Mas que conquistas? Roraima inteiro sabe de ciência próprio o estado de abandono em que se encontra a Segurança Pública, o abandono da Educação (sem uma sala de aula construída nesses anos todos), Saúde debilitada, infraestrutura descuidada, agricultura largada, enfim, com uma outra ação puramente assistencialista ela tenta dar visibilidade ao Governo tecnicamente fracassado.

Conquistas obtidas nos últimos anos? Servidores bem cuidados? Roraima no caminho certo? Qual a credibilidade que Suely tem para pedir a ajuda dos parlamentares na luta contra a crise do seu Governo se ela própria não respeita a Casa Legislativa porque nunca repassa o duodécimo em dia? Não paga fornecedores, não paga prestadores de serviço, não asfaltou um metro de estrada, não cuida da vicinais, abandonou o colo no campo, endividou o Estado. São essas as conquistas?

O pior é que se recusa a admitir sua enorme parcela de responsabilidade nesse desastre todo que foi sua gestão e nunca procurou adotar medidas de rigorosa austeridade que mostrem aos roraimenses estar ela disposta a liderar o esforço de recuperação do Estado.

Infelizmente os fatos demonstram à saciedade que o Estado regrediu, não avançou em nada. Estamos pior do que começamos em janeiro de 206 quando ela assumiu um Estado já castigado pelo antecessor – José de Anchieta Junior – mas não foi capaz de endireitar a casa, ao contrário, desabou no precipício.

A ida da governadora Suely Campos ao Parlamento Estadual ontem foi mais uma oportunidade perdida. Porque continuamos sem um governo capaz de nos tirar dessa profunda crise econômica, política e moral que resultou do ‘camposneudismo’.

E só há uma forma de evitar que esse pesadelo se repetir em 2019: a força das urnas, no mês de outubro. Pelo menos temos a esperança de que esse discurso de ontem seja o último de Suely como governadora na Tribuna da Assembleia.

Jalser surpreende com discurso ‘conciliador’ 

Jalser foi moderado nas palavras e descartou qualquer possibilidade de abrir processo de Impeachment de Suely.

Esperava-se algo mais austero do presidente da Assembleia Jalser Renier em relação ao Governo de Suely, sobretudo pelos últimos acontecimentos.

Ao contrário o discurso ‘conciliador’ de Jalser ontem na abertura dos trabalhos legislativos, deixou os presentes admirados, porque aquela pregação não condiz com o ímpeto clássico do parlamentar.

Jalser foi modelar ao propor ‘paz entre os poderes’, algo que não bate com o passado bem recente em que chegou inclusive a declarar guerra ao Governo de Suely.

E quando perguntado sobre Impeachment, Jalser deixou claro que não há disposição nenhuma para isso: “Quem tem que cassar a governadora é o povo que a colocou lá. Não a Assembleia Legislativa”, disse.

Pela elocução de ontem, portanto, não esperem mais alguma colisão de Jalser com Suely. Porque o presente torna-se incerto e o passado ficará só na lembrança, não servira como referência para o tabuleiro da política nesse ano de eleição.

Ainda respondendo a perguntas da imprensa, o parlamentar disse que o duodécimo continua sendo repassado com atraso, mas voltou a repetir que é preciso unir forças para melhorar a vida da população.

Queremos garantir que vamos continuar tendo uma boa convivência da mesma forma como temos tido, uma relação muito civilizada, educada e respeitosa com o Poder Executivo. Isso é o mais importante”, disse.

‘Avançamos’, diz presidente

O programa Abrindo Caminhos foi destacado por Jalser como uma grande conquista social.

Na abertura do ano legislativo, ontem de manhã, o presidente da Assembleia Jalser Renier destacou a ampliação da participação popular na Casa no decorrer da atual legislatura, e adiantou que deve apostar ainda mais nessas ações. “Avançamos muito sobretudo na questão social”, pontuou.

“Em tempo algum da existência deste estado, o cidadão comum teve tanto acesso a esta Casa. Temos propiciado a realização de debates, audiências públicas e reuniões, não apenas com a presença da população nestas galerias, mas com direito à voz”, afirmou ao ressaltar ainda o acesso à informação por meio da programação da TV Assembleia Canal 57.3. Jalser aproveitou para fazer uma breve prestação de contas sobre as ações do Poder Legislativo no ano passado.

Destacou inúmeras ações do Legislativo e reforçou a intenção de dar continuidade com ênfase no trabalho que vem sendo desenvolvido no interior de Roraima, com a implantação de núcleos do Poder Legislativo.

No ano passado, foram inaugurados núcleos em Alto Alegre, Bonfim, Caracaraí, Iracema e Rorainópolis. Também as comunidades indígenas de Sucuba e Raimundão, em Alto Alegre, ganharam extensões dessas ações. Nos locais funcionam os programas Escola do Legislativo, Abrindo Caminhos, Procon Assembleia e CHAME (Centro Humanitário de Apoio à Mulher). Os prédios de Mucajaí e São João da Baliza devem ser inaugurados nos próximos dias.

Queremos que as pessoas tenham consciência de que com educação é possível conseguir realizar objetivos, seja na vida pessoal ou na profissional. Acreditamos em um futuro mais digno para a população de Roraima”, disse Jalser.

Deputados abandonam o plenário

Jorge Everton abandonou o Plenário da Assembleia antes mesmo de iniciado o discurso de Suely.

Enquanto Suely vangloriava-se das ‘conquistas’ de seu Governo, dois deputados preferiam abandonar o Plenário: Jorge Everton e George Melo.

“Eu sinceramente não tinha estômago para ouvir bobagens. O Governo de Suely é um fracasso, um desastre. E ida dela ao Plenário da Assembleia não vai mudar nada. Ao contrário, ela foi desdenhar da população com esse discurso de que seu governo avançou. Avançou para o abismo”, disse Jorge Everton.

E George Melo emendou, depois que acabou a sessão: ‘um governo pedido e demasiadamente falso. Se o povo de Roraima tiver vergonha na cara nunca maias votará nessa mulher para nada”, disse Melo.

Dos 24 deputados com assento no Plenário, 15 estavam presentes. Aliados destacados de Suely como Mecias de Jesus e Jânio Xingu não compareceram.

A Comunicação ‘imatura’ de Suely

Suely demonstrou imaturidade ao responde as perguntas e ficou nervosa sobre sua impopularidade.

A comunicação de Suely deu o clássico exemplo de que como não se deve respeitar a liberdade de imprensa. Amadorismo total.

Enquanto ela falava para jornalistas, meio que atrapalhada, diante de perguntas que a deixavam confusa, um repórter fez o seguinte e pertinente questionamento:

“Governadora como a senhora avalia o seu governo amargando a maior rejeição entre todos os governadores do país?”.

Pronto, formou-se aquele banzeiro, empurra-empurra, assessor gritando desesperado para parar a entrevista, mas até que ela foi briosa, embora tenha ficado visivelmente nervosa:

  • Rejeição todo mundo tem, disse, sendo levada pelos asseclas. Claro, só que sua rejeição, Suely, é irremediável.

Crédito emergencial para municípios 

O senador Jucá acompanhou a votação de ontem e destacou os benefícios do projeto para os municípios.

O Congresso Nacional aprovou ontem Projeto de Lei, do Poder Executivo, que abre crédito especial de R$ 2 bilhões, via Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para as prefeituras aplicarem em educação (R$ 600 milhões), saúde (R$ 1 bilhão) e assistência social (R$ 400 milhões).

O auxílio financeiro aos municípios está previsto na Medida Provisória 815/2017. Pelo texto, a parcela destinada a cada ente federado será definida pelos mesmos critérios de transferências do FPM e os municípios deverão aplicar os recursos preferencialmente em saúde e educação.

O líder do governo no Senado Romero Jucá (PMDB), ressaltou a importância dessa ajuda para as prefeituras que passam por dificuldades.

Esse crédito é um apoio emergencial aos municípios e vai possibilitar que os prefeitos façam novos investimentos em áreas fundamentais como saúde e educação. Foi um compromisso do presidente Temer feito no final do ano passado e que está sendo cumprido”, disse Jucá.

A esmola de dona Suely 

O Governo não consegue pagar o Crédito Social e ontem anunciou a ‘esmola’ do Crédito Escola.

O governo de Suely não consegue pagar regulamente o Crédito do Povo – um auxílio ridículo de R$ 120 para famílias carentes – eis que a chefe do executivo anunciou ontem, como mais uma conquista do seu Governo, que vai pagar Crédito Escola para aquisição de material escolar.

Agora imaginem o valor do benefício: reles 41 reais. Isso dá para comprar o que mesmo? Talvez não pague um lanche na cantina da escola.

Suely novamente desdenha da cara do povo sofrido. Esses R$ 40 não dar para comprar o caderno, sequer.

Há um caso de sarampo confirmado | Em coletiva na manhã de ontem as instituições envolvidas no enfrentamento e combate ao sarampo na capital divulgaram a existência de um caso confirmado da doença e mais sete sendo investigados. Estiveram presentes na coletiva, os secretários do estado e município, técnicos das duas esferas, do Ministério da Saúde e presidente do Conselho Municipal de Saúde. Até o momento, 8 casos da doença foram notificados, destes um foi confirmado. Dentre os casos suspeitos, cinco são do sexo masculino, com faixa etária de sete meses a 10 anos. Sete casos são procedentes da Venezuela e uma criança é brasileira e residente em Boa Vista. Nenhum dos casos possui histórico de vacinação. A prefeitura continua trabalhando firmemente as ações de enfrentamento da doença. A vacina é o único meio de prevenção contra a doença. Entre as ações de enfrentamento contidas no plano municipal está a intensificação da vacina e bloqueios nos abrigos e praças da capital.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts