Educar para não aprisionar

CONFIDENCIAL    A Coluna de hoje | publicada 00h12
A superlotação na Penitenciária do Monte Cristo. Aqui o preso é tratado como bicho.

A superlotação na Penitenciária do Monte Cristo. Aqui o preso é tratado como bicho.

Absolutamente equivocada essa acerada discussão sobre o sistema prisional de Roraima, falido há anos. Cada figura que se põe a debater o tema, foca na ressocialização do indivíduo, na sua reeducação pós- delito e nos cuidados que se deve ter para que o apenado tenha tratamento humano no cárcere. Mas nada disso será possível, porque a base da pirâmide não está bem educada.

A conta é simples de ser feita: a cada sala de aulas construída, a cada professor contratado e qualificado, menos de uma dezena de celas deixaria de existir. Mas não é isto que acontece em Roraima. E por quê então tanta alucinação, delírio e desvairos na discussão? Porque aqui o problema só é tratado após a hecatombe, a cada ciclo de desmandos quando o sangue nos presídios já foi derramado com decapitações e assassinatos.

As prisões de hoje são utilizadas unicamente como um local de contenção de pessoas. Não há proposta de qualificar os presos, o que só faz aumentar os índices de criminalidade e reincidência dentro e fora dos presídios porque os presos em, sua maioria não, se transforma. Daí a prisão se mostra em sua realidade e em seus efeitos visíveis como “grande fracasso da justiça penal”.

Não há saída para Roraima senão pela educação ou pela forma mais polida de enquadrar um ser humano no mundo civilizado: oferta de trabalho digno e capaz de prover suas necessidades mais prementes. O Governo não proporciona uma coisa nem outra.

Portanto enquanto a educação não for ajustada como dever de Estado, fora do paradigma puramente eleitoreiro, Roraima continuará enjaulando pessoas. E depois já não conseguirá formar seu caráter no cárcere, porque lá já não são mais tratadas como gente.

Pauta nacional

As reportagens da rede SBT sobre a penitenciária de Roraima, pautou outros grandes veículos da imprensa nacional.

A Folha de S. Paulo vem publicando páginas inteiras tendo nosso inferno do Monte Cristo como matéria prima.

O que me deixa abespinhado é que é mostrado na grande imprensa justo o que nossa imprensa não consegue ou não quer exibir. Por que será?

Cabeças vão rolar

O secretário Josué: reforma na PA provavelmente no mês de outubro.

O secretário Josué: reforma na PA provavelmente no mês de outubro.

Ao jornal Folha de S. Paulo, o secretário da Justiça e Cidadania – gerente do sistema prisional – disse que haverá uma reforma na Penitenciária do Monte Cristo.

Sabem quando? Provavelmente em outubro. Até lá a Secretaria de Josué se ocupará de contar cabeças decapitadas e tentar conter fugas e rebeliões.

O monte cristo é hoje na verdade “o inferno de cristo”. E pelas condições ambientais atuais, só há uma providencia a fazer para evitar tato banzé: implodir tudo e levar para bem longe de Boa Vista os detentos ali enjaulados.

Modelo falido

O promotor de Justiça Carlos Paixão, perito na questão prisional local, afirma sem receio que o modelo está falido e não serve.

Para ele uma simples faxina com medidas emergenciais e reforma da pintura das paredes dos presídios só transporta os problemas para uma outra data.

Paixão: o modelo prisional de Roraima há muito faliu.

Paixão: o modelo prisional de Roraima há muito faliu.

A Penitenciária, foco dos maiores problemas do sistema, é administrada ao arrepio do Governo que não se mostra capaz de retomar seu controle.

Lambuzou geral

Carlos Paixão, aliás, exagerou na elocução no domingo enquanto era entrevistado no programa Linha de Frente, da Rádio Equatorial 93.3 FM, pelos jornalistas Bruno Perez e Marcelo Ribeiro.

O promotor despejou um acervo impressionante de gírias e palavrões. Empolgou-se e soltou a língua no “porra” – que denota expressão de raiva quando algo não está saindo como o esperado.

Pô Paixão, pega leve né! Não precisa ser rebuscado tampouco vulgar, afinal de contas você é uma figura pública e referencial no mundo jurídico.

As pessoas tiveram acesso à imagens que retratam o passado e o presente do cotidiano de Boa Vista. Foto: Secom/PMBV.

As pessoas tiveram acesso à imagens que retratam o passado e o presente do cotidiano de Boa Vista. Foto: Secom/PMBV.

E viva o turismo  | O boa-vistense foi mimoseado no fim de semana com uma exposição de fotografias que remonta a um tempo distante e exibe também imagens sobre o momento atual que vive a cidade.

Para celebrar o dia do turismo, o Varal Fotográfico expôs 200 imagens em um verdadeiro show de memórias do passado e do presente, possibilitado que as pessoas vejam e revivam o tempo de cada um na história.

A proposta do Varal Fotográfico, promovido pela Fetec, revelar, por meio do olhar da população, os atrativos turísticos que a cidade tem a oferecer.

Em celebração ao Dia do Turismo, nada mais justo do que divulgar nossa linda cidade. Esse foi nosso objetivo, reunir a visão popular e mostrar o que mais chama a atenção das pessoas em Boa Vista. Tanto profissionais quanto amadores abrilhantam o Varal Fotográfico”, disse a prefeita Teresa Surita.

Biruta cega

Enquanto o governo de Suely continua culpando a gestão anterior por tudo de ruim que acontece hoje em Roraima, não há planejamento para tirar o Estado do abismo.

A ocupação principal é que com a arrumação da casa e perde-se muito tempo limpando-se do entulho produzido por cada ação tortuosa – e são muitas – adotadas pelo governo atual.

Alguém precisa abrir os olhos da governadora e orientá-la sobre um norte a ser seguir, porque o atual plano de voo está sendo guiado por uma bússola desorientada.

Onda de violência

Estranha essa onda de violência que vem impondo medo na população de Boa Vista. Somente na sexta-feira passada três homicídios foram registrados, e em um deles o corpo foi jogado com as mãos amarradas, debaixo da ponte sobre o Rio Murupú.

E no sábado o advogado Ivani Adilson Stulp foi encontrado morto com várias perfurações pelo corpo, dentro do porta malas do seu carro.

E o que causa aflição é que o aparelho de segurança não tem sido capaz de responder com medidas eficazes, ai os criminosos permanecem impunes assim como seus delitos entram para a lista o rol dos insolúveis.

Nota da OAB

A morte do advogado Ivani Adilson moveu a Ordem dos Advogados do Brasil – seccional local – a cobrar do Governo medidas que possibilitem a elucidação desses crimes.

A OAB julga necessário que o aparelho de segurança estatal se esforce na elucidação dos crimes porque a população está amedrontada e intranquila diante de tanta selvageria.

O presidente Jorge Fraxe confessa temor e não enxerga ações efetivas que devolvam à paz ao cidadão roraimense. “A população precisa de respostas”, reclama ele.

Livrai-nos do mal 
Diante da divulgação da lista dos políticos suspeitos de participação no esquema de corrupção da Petrobras, só resta ao brasileiro enfatizar um trecho do Pai Nosso, talvez a oração mais conhecida do cristianismo.
Aquele que diz: “livrai-nos de todo o mal, amém”.

O assunto continua a repercutir com forte apelo sensacionalista aqui e fora do Brasil.

Só suspeitas

Jucá teve o nome listado pelo procurador e será investigado no caso da Petrobrás.

Jucá teve o nome listado pelo procurador e será investigado no caso da Petrobrás.

Não estou fazendo defesa alguma do Romero Jucá – nem de outro listado qualquer por Rodrigo Janot no escândalo da LavaJato -, mas a julgar pelo que foi apurado, sobram para o senador roraimense apenas suposições. Conjecturas e nada mais.

O pior de tudo isso é que os acusados, mesmo que venham a ser inocentados no futuro, já terão sido julgados, condenados e execrados publicamente.

Essa é boa

A secretária Emília Campos: 3 mil famílias serão atendidas com a construção de casas. Foto: Secom/RR

A secretária Emília Campos: 3 mil famílias serão atendidas com a construção de casas. Foto: Secom/RR

Enfim o Governo de Suely anuncia algo que foi a referência do governo de Neudo Campos, seu marido.

Trata-se do programa que constrói residências para a população de baixa renda, denominado Bem Morar. No passado foi um sucesso.

Inicialmente, segundo contou a secretária Emilia Campos, serão atendidas 3 mil famílias.

O Programa disponibiliza materiais para construção e melhoria da moradia do cidadão, proporcionando a construção de casa de alvenaria onde exista uma casa de madeira, utilizando o mesmo terreno do proprietário.

Alça de mira

O Ministério Público, através da Promotoria do Patrimônio, vai abrir procedimento investigativo para apurar em que circunstâncias foi contratada por quase R$ 10 milhões, a empresa M.R. de Barros Eireli para fornecer quentinhas ao sistema prisional e alguns setores da administração direta.

É que o governo está arguindo o modo emergencial para realizar a compra. Só que não abriu processo licitatório para consumar um contrato duradouro, como exige a lei.

Pecado capital

Esse povo do governo responsável pelo elo com empresas prestadoras de serviços, mostra-se glutão demais.

O governo tá apenas começando, portanto não há necessidade do acometimento dessa gula toda.

Essa demonstração de fome insaciável pode desembocar em uma baita congestão mais tarde.

Cinzas sobre o monte

No final da novela Império – os derradeiros capítulos serão exibidos nesta semana – o protagonista vai a óbito, assassinado pelos rivais.

O ator Alexandre Nero grava cena da novela em local que aparece como sendo o Monte Roraima.

O ator Alexandre Nero grava cena da novela em local que aparece como sendo o Monte Roraima.

E para atender a um desejo do comendador José Alfredo de Medeiros e Albuquerque, personagem do ator Alexandre Nero, seu corpo será cremado e as cinzas despejadas sobre nosso majestoso Monte Roraima.

Serão trazidas para cá – na ficção é claro – pelas viúvas e pela filha bastarda.

CONTATOS: www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – whatsapp: 98122-3345 – Facebook: Peronnico Expedito

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: