Índios já acorrentam Roraima na região Sul. Agora isolam Roraima no Norte.

Compartilhe nosso conteúdo!

A Coluna de hoje | Publicada 00h15

O indígenas utilizaram picaretas para quebrar a BR-174 em quatro pontos, impedindo a passagem de veículos no sentido Pacaraima.
Os índios usam picaretas para quebrar a BR em quatro pontos, impedindo a passagem de veículos no sentido Pacaraima. Foto divulgação.

A liberdade de locomoção é um direito fundamental de primeira geração que se goza em defesa da arbitrariedade do Estado no direito de ingressar, sair, permanecer e se locomover no território brasileiro. Este direito encontra-se acolhido no artigo 5º, XV da Constituição Federal onde diz que é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens. Por conta dessa garantia constitucional de ir e vir, os índios de Roraima não podem bloquear estradas nem montar barreiras marcando hora para veículos entrarem e saírem de rodovia federal. Qualquer cidadão tem o direito de ir e vir.

Os índios já nos privam de transitar pela BR-174 sul, na área em que vivem os Waimiri-Atroari, onde criaram uma barreira, com cancela e corrente, e estabeleceram horário para o trânsito de veículos num trecho de 125 km da BR-174, rodovia federal que cruza a reserva.

Agora quebraram trechos da mesma rodovia no sentido norte, para impedir a circulação de veículos para Pacaraima e fronteira com a Venezuela, para exigir a implantação de um redutor de velocidade em vários pontos da estrada, dentro da extensa reserva indígena de São Marcos.

Sendo índio ou não-índio, é inadmissível usar meios radicais para conseguir um objetivo. Esses índios não podem quebrar a estrada porque constitui crime de destruição de patrimônio público, com prisão em flagrante. Mas todos, até os órgãos de segurança, contemplam a situação e não fazem nada. E olha que não abriram uma vala apenas. Quebram a estrada federal em quatros localidades.

Motivação do fechamento

Veículos retidos na BR: arbitrariedade indígena.
Carros retidos: arbitrariedade indígena. Foto G1

O emburramento dos índios decorre de um acidente que marou uma menina da comunidade no domingo passado.

Na noite de domingo, segundo a polícia, por volta das 22 horas, um taxista que seguia de Boa Vista para Pacaraima atropelou uma menina indígena de 8 anos. A vítima foi socorrida pelo próprio condutor do veículo, porém morreu no hospital de Pacaraima.

É lamentável o ocorrido com a morte da menina, mas os indígenas atropelam tudo, até a Constituição Federal. Não pode e pronto. A Polícia tem que agir, prender os índios e restabelecer a ordem. Apenas isso.

Luta inglória

O Estado de Roraima luta há anos para desobstruir a BR-174 no início da reserva indígena dos Waimiri-Atroari.

Desde a implantação da BR-174 nos anos 70, pelo 6º Batalhão de Engenharia de Construção, uma questão histórica induziu ao fechamento do trecho que compreende a reserva Wamiri-Atroari no horário das 18 horas às 6 horas diariamente, pelos indígenas daquela comunidade.

O trecho bloqueado corresponde a uma faixa de 123 quilômetros de rodovia impedindo o trânsito de veículos, exceto ônibus interestadual.

Mau hábito

Protesto no Jundiá: BR acorrentada.
Protesto no Jundiá: BR acorrentada.

Conforme informações do Exército de Roraima, por conta das obras naquela época, criou-se o hábito de colocar as correntes na rodovia para evitar acidentes com carro que trafegavam à noite.

Quando a obra acabou, os próprios indígenas mantiveram o hábito para evitar o atropelamento de animais, por se tratar de uma área de floresta.

Por conta do impedimento de livre trânsito na rodovia, o Estado fica sem ligação terrestre com o resto do Brasil por 12 horas diariamente, o que acarreta prejuízos a economia do Estado, encarecendo o frete de todo tipo de produto, bem como escoamento da produção.

Tira a corrente 

Jucá: não pode manter BR fechada.
Jucá: não podem manter a BR fechada.

O senador Romero Jucá defende há anos a suspensão da medida que proíbe o tráfego noturno na BR-174 no trecho da reserva indígena Waimiri-Atroari.

O parlamentar tem insistido que o Supremo Tribunal Federal dê prioridade no julgamento da ação impetrada pelo governo de Roraima com esta reivindicação.

Ele defende a retirada da corrente e a construção de postos de vigilância da Funai na entrada e saída da reserva com controle de veículos que trafegam e também realizando a proteção da fauna e flora do lugar.

O prefeito escapou 

A sessão extraordinária da Câmara de Vereadores de Iracema, para analisar o pedido de afastamento do prefeito da cidade, Raryson Nakayama, foi adiada por falta de quórum.

Dos 11 vereadores do município, somente 4 compareceram à sessão que aconteceu na sexta-feira (24). O pedido de afastamento foi feito pelo Tribunal de Contas do Estado em razão da falta de apresentação de documentação referente a uma ação de fiscalização feita pelo órgão. Outra sessão será realizada essa semana.

 

marcelo e renat‘MOVIMENTO CONSCIENTIZAR’ |Na noite de quinta-feira (23), o vereador Renato Queiroz e o deputado estadual Marcelo Cabral deram início a um projeto inovador e pioneiro em Roraima. O Movimento Conscientizar, uma ação conjunta e tem como princípio básico promover a inclusão social e a formação ética e política dos cidadãos. O Conscientizar teve início pelo bairro Silvio Leite com uma conversa informal por meio de debates e discussões diretamente com comunidade sobre os diversos aspectos do dia a dia das pessoas e sobre qual papéis os políticos devem desempenhar para promover as mudanças almejadas pela sociedade. FOTO: JPavanni.

Queremos apresentar um jeito novo de pensar e agir politicamente com o Movimento Conscientizar. Esta mudança somente vai ocorrer quando todos os atores, sejam eles políticos ou sociais, possam sentar e debater claramente os problemas do bairro, das cidades, das vicinais, das vilas. Estamos fazendo isso com muita responsabilidade e quem ganha é a cidade de Boa Vista e o Estado”, diz o deputado Marcelo Cabral.

Ação civil pública

ff
Faradilson: ação pública contra Suely.
esco
A escola pública com as cores do PP.

Faradilson Mesquita, tradicional ativista dos direitos do cidadão roraimense, vai impetrar ação civil pública contra a governadora Suely Campos.

É para que ela remova das escolas públicas a pintura em azul, vermelho e branco, que são as cores do partido dela, o PP.

Segundo Faradilson, a governadora está ferindo o princípio da Impessoalidade por não fazer distinção das cores partidárias e institucional. Segundo ele, já há jurisprudência formada no Paraná, onde uma prefeita teve que remover as cores dos prédios públicos e ainda pagou a conta.

Via municipalizada

rrr
Avenida Brasil: dentro do perímetro urbano, mas é BR federal.

 A Câmara de Vereadores de Boa Vista vai realizar amanhã uma audiência pública para discutir a municipalização do trecho urbano da BR-174, partindo da avenida Brasil até o Anel Viário, trecho Sul da rodovia.

A audiência pública foi proposta pelo vereador Flávio do Padre Cícero atendendo a solicitações de empresários, centenas de famílias e milhares de pessoas que vivem, moram e trabalham ao longo da avenida Brasil.

A proposta de municipalização tende a regularizar o perímetro urbano da avenida, possibilitando ao município a regularização fundiária e a produção do documento Habite-se a todos que ali vivem.

 

na feiraSAÚDE NA FEIRA | A hipertensão arterial é uma doença silenciosa e na maioria das vezes é responsável por problemas no coração. Para alertar feirantes sobre os cuidados com a pressão alta, a Secretaria Municipal de Saúde, realizou ação na Feira do Produtor. Aferição de pressão, atendimento médico, além de distribuição de preservativos, foram os serviços ofertados. Segundo o coordenador de vigilância de doenças e agravos não transmissíveis da Saúde, Romildo Azevedo, a equipe com 10 profissionais passou a manhã na feira e atendeu 152 pessoas, sendo que 22 foram encaminhadas ao médico. “Aqueles que estavam com a pressão alta foram encaminhados à médica para receber orientações”. FOTO: Ascom/PMBV.

Telmário dilmou

Para o senador Telmário Mota a oposição deve manter sua postura crítica ao governo, mas precisa igualmente reconhecer os acertos da administração de Dilma Rousseff.

Compara a situação da presidente a dos técnicos de futebol, que são criticados “tanto pelo que fizeram quanto pelo que deixaram de fazer”.

— O governo da presidente Dilma sofre mais do que técnicos de futebol: Só recebe críticas. Os acertos do governo são insensíveis à oposição — comparou Telmário.

ArtCanto encanta 

Clássicos da Música Popular Brasileira, canções indígenas e o carimbó fizeram parte do repertório do coral ArtCanto para apresentação de abertura do espetáculo O Baile da Cinderela, realizado no Pátio Roraima Shopping. 

ccc
O ArtCanto empolgou na apresentação no Shopping. Foto PMBV

Com 60 meninos e meninas, o coral encantou o público que foi prestigiar a primeira noite do evento.

Os 140 integrantes do ArtCanto, além das aulas de musicalização, estudam teoria musical, técnica de canto coral, participam de palestras educativas, além de atividades esportivas e de integração.

Segundo o regente, Adonias Lima, as apresentações são uma oportunidade para que todos conheçam o trabalho com cada adolescente.

CONTATOS: www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.comFacebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Perônnico

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts