‘No que depender de mim, não tem mais demarcação de terra indígena’, diz Bolsonaro.

A Coluna de Hoje | Publicada 00h13

Bolsonaro promete que no seu governo não haverá mais demarcação de reservas indígenas.

presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) voltou a afirmar, que, se depender dele, não haverá mais demarcação de terras indígenas no país. “Eu tenho falado que, no depender de mim, não tem mais demarcação de terra indígena”, disse Bolsonaro em uma entrevista ao apresentador José Luiz Datena.

“Afinal de contas, temos uma área mais que a região Sudeste demarcada como terra indígena. E qual a segurança para o campo? Um fazendeiro não pode acordar hoje e, de repente, tomar conhecimento, via portaria, que ele vai perder sua fazenda para uma nova terra indígena”, disse.

Segundo Bolsonaro, as reservas existentes foram “superdimensionadas” e “não tem como mexer”, mas afirmou que o que vier a fazer é “com o aparato da lei”. “Índio é um ser humano como nós. Ele quer empreender, quer luz elétrica, quer médico, quer dentista, quer um carro, quer viajar de avião”, disse.

Não é a primeira vez que Bolsonaro indica sua posição neste sentido. Em outra entrevista, antes da eleição, o capitão reformado criticou o que chamou de “indústria da demarcação de terras” e disse que os índios “não querem ser latifundiários”. “Índio quer poder arrendar a terra, quer poder fazer negócio (…) Não quer ser usado para políticas”, declarou, na época.

Em 2017, em visita a Mato Grosso, Bolsonaro também se disse contra o reconhecimento de novas terras indígenas no país. “Não terá um centímetro quadrado demarcado”, afirmou.

Segundo a Funai (Fundação Nacional do Índio), cancelar novas demarcações de terra indígena acabaria com 129 processos que hoje estão em andamento, em diferentes etapas.

STF solta Márcio Junqueira

Márcio solto mas ficará sob controle de tornozeleira eletrônica e nem pode sair do país.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem, por unanimidade (quatro votos a zero), mandar soltar o ex-deputado Márcio Junqueira.

O ex-parlamentar – que era filiado ao PP – havia sido preso preventivamente (sem prazo determinado) em abril por ordem do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

Junqueira foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) porque supostamente teria ajudado o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), e o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) a obstruírem as investigações da Operação Lava Jato. Nogueira e Fonte também foram denunciados pelo Ministério Público.

Ao decidir soltar Junqueira, os ministros da Segunda Turma consideraram que, em razão do estágio atual do caso, não há mais possibilidade de o ex-deputado prejudicar as investigações. Para libertar Márcio Junqueira, os magistrados impuseram medidas cautelares:

  • Márcio Junqueira deve ficar em recolhimento domiciliar todos os dias – à noite e nos dias de folga – com monitoramento eletrônico.
  • O ex-deputado está proibido de ter contato com os outros dois denunciados e com todas as testemunhas de acusação do processo.
  • Ele não pode deixar Brasília sem autorização judicial.
Telefone clonado. De novo.

Maria Helena foi surpreendida com nova clonagem em seu número de celular.

A deputada federal Maria Helena Veronese (MDB) usou suas redes sociais para comunicar que o número do seu telefone celular foi clonado.

Ela registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) em uma Delegacia da Polícia Civil em Brasília e aguarda que os criminosos sejam penalizados.

Essa foi a segunda vez, em menos de seis meses, que o número da parlamentar é duplicado.

“Fico revoltada, porque foi da mesma forma que na primeira. Graças a Deus ninguém caiu no golpe. Eles pediram dinheiro das pessoas. Que me avisou na manhã de hoje foi o deputado Édio Lopes [PR]. Ele recebeu uma mensagem na noite anterior do número do meu celular, pedindo dinheiro. Desconfiou, não fez o depósito e foi ao meu gabinete comunicar”, relatou.

Jhonatan será o líder do PRB

Jhonatam será o líder do PRB, na Câmara dos Deputados, a partir de fevereiro.

O deputado federal Jhonatan de Jesus (PRB), reeleito para o terceiro mandado na última eleição, foi escolhido ontem líder da bancada do PRB na Câmara, a partir da próxima legislatura que se inicia no dia 1º de fevereiro.

Jhonatan venceu a eleição que tinha ainda um do Amazonas e outro de São Paulo. Acabou sendo aclamado por uma bancada com 30 deputados. O mandato é de um ano, podendo ser prorrogado por igual período.

O partido visa o fortalecimento da bancada e não vou ser líder , vou liderar meus colegas ajudando a fortalecer o partido. Enquanto líder serei o porta voz com o governo, tenho que saber conduzir para orientar os colegas no momento da votação, ajudar na captação de recursos para seus estados, isso tudo o líder quem organiza com a bancada”, disse.

Deputados voltam o trabalho 

Deputados retomaram as sessões ordinárias, ontem, e derrubaram vários vetos do Governo.

Duas semanas após o término das eleições, os deputados estaduais resolveram trabalhar.

Realizaram uma sessão ordinária, ontem, onde apreciaram e derrubaram sete de oitos vetos governamentais analisados.

A única decisão mantida pela maioria dos parlamentares, com 11 votos contra quatro, diz respeito ao projeto 86/17, do ex-deputado Masamy Ida (PSD), que garante aos alunos das instituições públicas e privadas de ensino do Estado de Roraima, o acesso a água potável e filtrada.

A justificativa ao veto parcial se deu pelo ônus gerado ao Poder Executivo.

Comitiva vê venezuelanos

Deputados do Parlasul estão em Roraima e ontem foram recebidos na Assembleia Legislativa.

Deputados federais componentes do Parlasul (Parlamento do Mercosul) – com representantes do Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina -, se encontraram no final da tarde de ontem com deputados estaduais, na Assembleia Legislativa, para discutirem a crise migratória.

O presidente da Comitiva, deputado brasileiro Celso Russomano (PRB), contou que não tinha conhecimento da real situação em Roraima e que após a visita desta delegação, pretende levar ao conhecimento do Governo federal a necessidade de envio de recursos para o Estado.

“O que vimos aqui é um estado de calamidade e uma dificuldade de manter uma população de venezuelanos sem estrutura. É um problema do Mercosul. O Estado está assumindo uma quantidade de pessoas que não suporta”, destacou Russomano.

Bloqueio por salários 

Mulheres de policiais sem salários bloquearam a BR-174, em Rarainópolis. Foto | Divulgação

A crise financeira no Governo de Suely Campos afeta família de note a sul do Estado.

Ontem um grupo de esposas de policiais civis, militares e bombeiros bloquearam a BR-174 na entrada do município de Rorainópolis, ao Sul de Roraima, para reivindicar o pagamento dos salários atrasados.

A rodovia seguiu bloqueada até às 12h em uma manifestação do grupo contra o atraso de salário dos maridos, que são servidores públicos estaduais.

“Fechamos a BR-174 porque são mais de 60 dias de salários atrasados. A governadora fala em pagar só algumas patentes e somente do mês de setembro, mas nós não queremos isso. Queremos os salários em dia”, disse Andréia Alves, esposa de um policial militar.

Servidores de sete pastas ainda não receberam os salários referentes ao mês de setembro. Nenhum servidor público recebeu o referente ao mês de outubro e o pagamento do provento irá depender da arrecadação do estado. A dívida de salários atrasados ultrapassa os R$ 22 milhões.

Tapa-buracos na UFRR | Nesta terça-feira, 6, as equipes da Operação Tapa Buracos, da Prefeitura de Boa Vista, cumpriram cronograma de recuperação de ruas na Universidade Federal de Roraima (UFRR). Foram atendidos trechos danificados por conta do período chuvoso deste ano. Graças ao planejamento da administração, esses serviços continuam em toda a cidade, mesmo diante da crise econômica que afeta o Estado e prejudica os municípios. A prefeitura atende as ruas da UFRR com serviços de infraestrutura graças à uma parceria firmada há dois anos com a instituição. Além da operação Tapa Buracos, o município atua com melhoria e a manutenção da iluminação pública, asfaltamento, limpeza, urbanização e paisagismo. Também é feita a organização do trânsito no campus Paricarana e melhoria nos pontos de ônibus para a comunidade acadêmica. Em toda a capital, as obras da Operação Tapa Buracos vêm sendo executadas pela Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Meio Ambiente. De janeiro a outubro deste ano foram recuperados pavimentos em 40 bairros, um total de 11.672 toneladas de massa asfáltica distribuídas em ruas e avenidas do município. Além de serviços de manutenção de buracos diariamente.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: