O descontrole migratório: venezuelanos voltam a ocupar a Praça Simon Bolívar.

A Coluna de Hoje | Publicado 00h06

A praça que foi desocupada e reformada, foi novamente invadida.

O Exército Brasileiro, com sua Operação Acolhida, está perdendo a batalha para o descontrole migratório. Acentua-se cada mais e rapidamente a ocupação por venezuelanos de prédios públicos abandonados, praças, calçadas de farmácias e supermercados e interior de agências bancárias.

E a culminância dessa crise está concentrada novamente na Praça Simon Bolívar, recentemente reformada e que foi o símbolo máximo dessa desordem. Ontem era possível verificar o amontoado de famílias inteiras que estão se abrigando no logradouro, debaixo de árvores e sobre os bancos.

O retorno dos refugiados à Praça é o sinal mais deplorável dessa crise que parece sem fim e danosa à vida do cidadão roraimense. Significa que já não há mais onde abrigar os venezuelanos, que chegam aos montes a Roraima, nos alojamentos destinados à eles em Boa Vista, resultando no povoamento de ruas e outras dependências da cidade por gente faminta, desamparada, largada a própria sorte e sem perspectiva alguma.

O descontrole migratório causa chagas que estão se tornando irreversíveis na estrutura pública, superlotando hospitais e postos de saúde, impactando no atendimento normal aos cidadãos locais, aumentando os índices de violência e ocasionando flagelo nas ruas.

Os venezuelanos estão transformando a paisagem urbanística de Boa Vista, deformando a imagem pública de uma das capitais mais formosas da região Norte. A degradação da capital roraimense é real e ultimamente eles se promovem autoflagelados nos cruzamentos da cidade, carregando aquelas placas improvisadas em papelão onde assumem a condição de fustigados, apelando dramaticamente que a fome é a razão daquela situação ‘comovente’.

O apelo fulgente, óbvio, comove pela situação humana de cada um, afinal de contas estão sendo expulsos da Pátria Natal por um regime dominador que tirou-lhes até a liberdade de viver em paz em suas próprias casas, apeados do berço por um tirano insensível e irresponsável que atolou o país em um lamaçal sem saída.

Uma cena deplorável

Ontem Wagner orou pela retomada da cadeira de vereador.

Ontem uma cena que viralizou nas redes sociais exibe bem como a política exibe seus contrates. O vereador Wagner Feitosa, que reassumiu seu mandato na Câmara de Boa Vista, vindo diretamente da cadeia onde ficou 15 meses, é festejado, abraçado e até cheirado por seus ‘pares’, no regresso ‘triunfal’ ao poder.

Fosse num país sério, como na Coreia do Sul, por exemplo, pela gravidade da situação – Feitosa foi preso sob acusação de ter aliança com facções criminosas – certamente seria cassado sumariamente do posto, nem pisaria mais na calçada do parlamento e seria expurgado definitivamente da política.

Mas não. Indiferente ao fato, os vereadores laurearam Feitosa em seu retorno glorioso e o acolheram como um herói, o filho pródigo. Houve até choro.

E sem o menor recato, o presidente da Casa, Maurilio Fernandes, que foi apertado longamente, cingido e erguido pelo acusado, que trajava bermuda e conduzia uma bíblia.

Fica valendo a máxima de ‘o crime compensa’. Embora não tenha ainda sido condenado, Wagner foi pego inclusive em gravações pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ameaçando servidores seus para que devolvessem parte do salário que recebiam no gabinete.

Ontem Wagner deu entrevista e disse que foi acusado de crimes que não cometeu e disse que por trás das acusações tudo foi tramado contra ele, com o objetivo de ´tomar´ seu mandato.

Nova fonte de energia

A planta foi acionada por Denarium e Steagall. Fotos | Secom/RR

A Brasil BioFuels (BBF) inaugurou na quinta (27) uma usina esmagadora para extração do óleo de palma, no município de São João da Baliza, no sul de Roraima.

O empreendimento, que angariou investimentos de R$ 65 milhões, terá capacidade inicial de produção de 72 toneladas de óleo por dia, que será destinado a produção de biodiesel em indústria da própria BBF e na geração de energias das termelétricas do grupo.

Milton Steagall, CEO da BBF, afirmou que com o funcionamento da esmagadora, a empresa, que já produz biodiesel com o sebo bovino, passará a fabricar o biocombustível também por meio do óleo de Palma, que poderá ser utilizado na geração de energia nas usinas termelétricas (UTE) do próprio grupo.

A empresa iniciou o plantio da Palma em 2008. A planta é uma das oleaginosas que oferece maior produtividade no mundo, com média anual de 5 toneladas de óleo por hectare.

Para efeitos de comparação, a soja, matéria-prima mais utilizada para produzir biodiesel no Brasil, possui média de 0,7 toneladas.

Objetivo: desenvolver Roraima

Mais de 400 empregos diretos foram gerados com o empreendimento.

Fundada em Roraima com o objetivo de desenvolver o estado e a Região Norte, a BBF identificou na Palma uma oportunidade de proporcionar uma matriz energética mais limpa para os sistemas isolados.

“A Amazônia está intoxicada pelo diesel utilizado durante anos para a geração de energia e transporte. Além da emissão de carbono provocada pela queima desse combustível fóssil, o custo é altíssimo: além do valor do litro, o transporte é dispendioso, pois o diesel precisa vir do Sudeste”, explica Steagall.

Além da fabricação do biocombustível, a BBF também atua na geração de energia elétrica renovável nos sistemas isolados, fornecendo energia em dez localidades de Rondônia e quatro do Acre, além de ter iniciado as operações no último mês de maio em uma das seis unidades do Amazonas, que ainda terão as cinco restantes inauguradas até o final deste ano.

A companhia sagrou-se vencedora do leilão promovido pela Aneel no final de maio para abastecimento parcial de Roraima, seguindo a mesma premissa de utilização de combustíveis renováveis, sua estratégia principal.

Base para novos projetos

A indústria vai gerar energia a base de óleo de palma.

São João da Baliza também servirá de base para novos projetos da empresa, que com o empreendimento avança para uma nova etapa: a implantação de uma unidade de produção de etanol de milho, com o aproveitamento do excedente de vapor da UTE.

“O etanol será destinado à produção de biodiesel na futura fábrica de Manaus”, informa Steagall.

A usina esmagadora vai operar com o fruto produzido no cultivo das fazendas próprias, que já remontam 5.000 hectares de área plantada e que aumentarão a produção de biodiesel da BBF.

Além disso, um empreendimento deste porte irá gerar uma série de empregos em São João da Baliza e região nas atividades industriais e agrícolas do cultivo e colheita da Palma, haja visto que não podem ser mecanizadas.

Denarium comemora o feito 

Denarium faz selfie com empregados da Brasil Bio Fuels.

O governador Antonio Denarium participou da inauguração da agroindústria da BFF (Brasil Bio Fuels) que vai transformar a palma e o óleo de dendê em energia de biomassa.

Denarium destacou que é um marco para o Estado a instalação da primeira indústria de biomassa em Roraima.

“É um momento muito importante, nós realizamos o leilão de energia renovável e a BBF foi uma das vencedoras, com isso os produtores serão estimulados a plantar mais dendê na região porque já vão ter pra quem vender sem despesas de transporte. Serão gerados muitos empregos no campo e nas cidades da região do Baliza”, disse.

O governador enfatizou que atrair investidores para gerar emprego e renda é prioridade da gestão, e para isso está desenvolvendo políticas públicas para valorizar os investidores que estão aqui e para atrair mais empresários para Roraima.

Mais empregos e renda

Milton Steagall: mais emprego e renda para Roraima.

O presidente da BBF Milton Steagall explicou que todo o processo da geração de energia, desde o plantio até a queima será feito todo em Roraima.

Segundo ele, o bagaço vai ser queimado na termoelétrica que está sendo construída em São João da Baliza com capacidade de 10 Megawatts. E o óleo vai ser levado para Boa Vista para servir de combustível de uma térmica maior com 56 negawatts.

Além da energia sustentável, já foram gerados 400 empregos diretos na região e estima-se que até 2021 o número de pessoas empregadas seja de dois mil.

“É o desenvolvimento e a garantia de uma energia sustentável para o Estado de Roraima. Mais um passo para uma economia forte e um Estado crescente”, disse Steagall.

Mais dinheiro para a saúde

Projeto de Mecias destina maias dinheiro para a saúde.

O senador Mecias de Jesus (PRB) apresentou projeto de lei que destina 1% (um por cento) da arrecadação das modalidades lotéricas da Caixa Econômica Federal às Secretarias de Saúde dos estados e do Distrito Federal.

Segundo Mecias a saúde pública brasileira poderá contar com um novo recurso de aproximadamente R$ 140 milhões anuais, caso a proposta seja aprovada.

“O valor será destinado as Secretarias de Saúde dos estados para contribuir e melhorar o serviço de atendimento público”, disse Mecias.

Caso o projeto se torne lei, o estado de Roraima terá um aumento significativo nos recursos do sistema de saúde pública, serão cerca de R$ 5 milhões a mais para ser investido no atendimento oferecido pelos hospitais públicos.

A proposta se encontra na Comissão de Assuntos Sociais aguardando recebimento de emendas.

No TJ a conciliação resolve

O desembargador Mozarildo ressalta a importância da conciliação.

Em um esforço concentrado de duas semanas, o Tribunal de Justiça de Roraima realizou mais de 300 acordos de conciliação, resolvendo rapidamente conflitos envolvendo questões de direito de família e direitos do consumidor.

Entre os conflitos mais comuns solucionados com o trabalho dos conciliadores estavam os de serviço de telefonia, companhias aéreas, comercialização de lojas de departamento e assunto relacionados a questões de família, como divórcios, partilha de bens e guarda de crianças e adolescentes.

“A ideia das conciliações é que elas não ocorram apenas nos mutirões. Os mutirões serão realizados sempre que necessário, mas esse trabalho de resolução de conflitos é realizado ao logo de todo o ano de maneira efetiva e para isso estamos investindo na formação de novos conciliadores”, disse o presidente do TJ, Mozarildo Cavalcanti.

Desembarque em Malta | Os cinco alunos do curso de inglês da Escola do Legislativo chegaram à República de Malta, arquipélago ao sul da Europa, em pleno verão, para um intercâmbio inédito, que vai durar oito dias. No dia 4 de julho, a turma retorna para Boa Vista, mas a chegada em casa só acontece na madrugada do dia 6. Essa é a primeira vez que a Assembleia Legislativa de Roraima oferece um intercâmbio para alunos da Escola do Legislativo. Para conquistar a viagem, com direito a passagem, hospedagem, transporte, passeios e ajuda de custo, os alunos passaram por rigorosa seleção que envolveu prova escrita e oral.

CONTATOS DO AUTOR

www.peronico.com.br – emails: peronico.27@gmail.com / blogdoperonico@gmail.com / expeditoperonico@gmail.com Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: