Pesquisa revela impacto da migração venezuelana na vida dos roraimenses.

 Pesquisa revela impacto da migração venezuelana na vida dos roraimenses.
Compartilhe este artigo

There is no ads to display, Please add some

Os serviços de saúde foram os mais impactados pelo fluxo migratório de venezuelanos ao Brasil, aponta um relatório do Ipea divulgado nesta quarta-feira (13).

O documento registra o déficit de leitos, a ausência de equipamentos como tomógrafos e mamógrafos e a falta de medicamentos e insumos básicos, como gases, agulhas e paracetamol.

A falta de profissionais atuando na região, sobretudo em Roraima, foco da pesquisa, também é destacada pelo órgão. Há ainda o “perigo” da reintrodução de doenças já erradicadas no país, como foi o caso do sarampo, em 2018.

Os pesquisadores também mediram os impactos na educação, moradia, trabalho, comércio, energia e mobilidade. No caso da segurança pública, “é notória a vulnerabilidade de venezuelanos a situações de violência, abuso, exploração sexual, discriminação, contrabando de pessoas e exploração.

Ao mesmo tempo que existe sensação de insegurança generalizada por parte da população local”, registraram. O órgão faz pesquisas de campo desde 2015 em Boa Vista e Pacaraima, cidades que recebem o maior número de migrantes do país vizinho.

No rol de sugestões, o Ipea cita a Lei de Migração e afirma que, “se, por um lado, existem esforços para o reconhecimento e a facilitação da inserção de refugiados, por outro lado, há iniciativas que visam dificultar o acesso de migrantes e refugiados a serviços públicos” no Brasil.

O documento, que mostra os efeitos antes e depois do fechamento da fronteira, em 2016 e 2017, faz parte do projeto “A Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR) e a Faixa de Fronteira”.

Fonte: Ipea

peronico

http://peronico.com.br

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Posts Relacionados

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: