Será o fim do Exame da Ordem?

A Coluna de hoje | publicada 00h15

A discussão está tomando corpo. E ontem foi debatida exaustivamente na reunião do Conselho Seccional da OAB-Roraima. Trata-se de uma posição do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, de pôr fim ao tão discorrido, controvertido e, para a maioria dos juristas, necessário: o Exame da Ordem dos Advogados. Ele deve ser mantido ou abolido? Eis a questão.

Jorge Fraxe: o Exame não estabelece reserva de mercado. Ele ordena o exercício da profissão.

Jorge Fraxe: o Exame não estabelece reserva de mercado. Ele ordena o exercício da profissão.

A prova, aplicada para bacharéis em Direito que desejam exercer o ofício da advocacia, é obrigatória. É uma espécie de filtro que estabelece a seleção natural dos que estão preparados ou não para o corredor profissional.

A proposta de Eduardo Cunha prega puramente o fim do Exame. Argumenta que uma única prova não pode substituir todas as provas aplicadas em cinco longos anos de formação acadêmica o que vem gerando a revolta nas Seccionais da OAB em todo o Brasil. Os advogados em uníssono defendem a manutenção do Exame como fator de defesa da própria cidadania e da qualidade do profissional do Direito.

O mau advogado representa um risco para seus clientes. A adequada representação dos interesses de uma pessoa, em juízo e fora dele, implica, necessariamente, um elevado grau de proficiência técnica” – adverte o presidente da OAB-Roraima, Jorge Fraxe.

Segundo ele, a defesa que se faz não é pela reserva de mercado para os bacharéis mais bem preparados nem para os que sabem mais. É puramente pela valorização profissional e o cuidado que se tem pelo amparo à cidadania do próprio advogado e conservação de suas prerrogativas.

Mas a maioria acha ser o Exame um instrumento de avaliação de competência e defende que outras profissões deveriam ser submetidas à análise aos mesmos critérios de certificação e qualificação.

Em manifestação professores exigem realização do processo seletivo para novas contratações.

Em manifestação professores exigem realização do processo seletivo para novas contratações.

 Sob pressão

Os professores se organizaram e foram trombetear na porta da Secretaria de Educação, ontem de manhã.

E pelo visto, na base da chibata e da vozearia, a secretária turrona Selma Molinari – irmã da governadora Suely – resolver atender as rogativas dos mestres.

O Sindicato da categoria exige o lançamento do edital para o processo seletivo para a contratação de professor temporário, que havia sido prometido mas esquecido.

Ai, depois de ouvir o eco brusco das ruas, o Governo assegurou que o processo será iniciado oficial na próxima sexta-feira, dia 27.

Mais 500 mestres

Dados preliminares pontam para a necessidade de contratação temporária de cerca de 500 professores para atuarem nas 66 unidades escolares do interior do Estado, incluindo zona urbana e rural dos municípios.

A deficiência é real e para suprir a carência a Secretaria de Educação instituiu a modalidade hora-aula, para atender as escolas de Boa Vista.

Alguns pais reclamaram nas redes sociais que ontem seus filhos voltaram mais cedo das escolas. Foram liberados justamente pela inexistência de professores nas salas.

Caindo aos pedaços

É precário o estado em que se encontra algumas escolas da rede estdual.

É precário o estado em que se encontra algumas escolas da rede estadual.

O que se viu ontem no início do ano letivo de 2015, é uma falta de compromisso assombrosa do Governo com a Educação. Não houve tempo de reparar algumas escolas.

Por isso o reinicio das aulas está prejudicado. Alguns prédios não oferecem as condições mínimas para o acolhimento dos alunos.

A grita de pais e professores é geral. Mas o que fazer: só resta xingar o ex-governador José de Anchieta, que não construiu uma única sala de aula em seus quase sete anos de poder.

Nem alto, nem baixo 

O deputado George Melo, 3º vice-presidente da Assembleia, afirmou ontem que a reorganização política na Casa impõe inclusive mudanças na camada social interna.

George: temos que acabar com esse negócio de baixo ou alto clero. Aqui todo mundo é igual.

George: temos que acabar com esse negócio de baixo ou alto clero. Aqui todo mundo é igual.

“Esse negócio de baixo e alto clero é ultrapassado. Inútil esse pensamento de divisões entre os deputados iniciantes, daqueles mais antigos”. Tá certo, George. Esse negócio de clero é coisa de igreja ortodoxa da idade média.

A Assembleia constitui-se de um colegiado, onde todos são iguais nas suas performances, porém, com a exceção de que a situação é melhorzinha para aquele que estiver associado a um grupo mais pujante.

Puxa-encolhe

Um veto no Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) dos servidores municipais de Boa Vista, obrigou o Município a enviar um projeto de lei específico sobre a vigência da lei para a Câmara dos Vereadores que deverá que ser apreciado antes de sexta-feira.

O objetivo é garantir aos servidores municipais o recebimento dos salários já com novos valores na data prevista para o pagamento da Prefeitura de Boa Vista, que é dia 27de fevereiro.

Tomara que dê tempo, senão o berreiro será geral. Pois, sempre em aflição, tem servidor que já gastou por conta

Agora é pra valer

Na Sessão de hoje pela manhã, a Assembleia irá definir quais deputados ocuparão as comissões permanentes para a atual legislatura.

A nomeação deve acontecer num prazo de cinco dias, após a instalação do primeiro ano legislativo, de acordo o Artigo nº. 33 do Regimento Interno do Legislativo.

Os deputados querem materializar um antigo desejo: que elas atuem como verdadeiras bancas de debates permanentes do cotidiano do Parlamento e não se resumam aos encontros ocasionais em dias de sessão regular no Plenário.

Cidade grande meu!

Paulista o advogado Alexandre Dantas, conselheiro federal da OAB-Roraima provou do féu de como é a vida em uma cidade grande.

Viajou de Boa Vista a São Paulo de carro, uma viagem de 5 dias corridos e castigados por péssimas condições das rodovias federais, principalmente na Amazônia.

Em Sampa, terra da garoa e do agito permanente, Alexandre relaxou e foi reviver com amigos alguns momentos bons passados por lá. Quando retornou da brincadeira se deu conta da roubada: os meliantes levaram sua L-200.

Câmara Cidadã

A Câmara de Vereadores de Boa Vista impõe um novo modelo de gestão em seu tato com a população.

Institui a partir de amanhã as Sessões Itinerantes, começando pelo Conjunto Cruviana, bairro Equatorial, a partir das 19 horas.

Edilberto Veras: A Câmara e os vereadores mais próximos do cidadão.

Edilberto Veras: A Câmara e os vereadores mais próximos do cidadão.

A ação marca o início dos trabalhos do projeto Câmara Cidadã, lançado pela nova gestão sob o comando do presidente Edilberto Veras.

A sessão itinerante é uma forma de fazer com que a população veja como é o trabalho dos vereadores e esteja mais perto do poder legislativo, além de ser um espaço de voz para o povo, que poderá falar diretamente com a gente e apresentar as prioridades para sua comunidade”, ressalta o presidente.

Detonou geral

O ex-governador José de Anchieta foi aos píncaros em uma página nas redes sociais.

Arrebentado e moído de tanta peia, sentou o malho em Suely Campos, assinalando uma prole de erros cometidos pela sucessora. É que tudo que não presta em Roraima, a governadora culpa “o meu antecessor”.

E pelo carregar do andor, José de Anchieta – que não é santo – vai tocar o terror, e não deixará inquires sem resposta de agora em diante.

Terror na Penitenciária

O Sistema Prisional é sem dúvida o ‘calcanhar de aquílles’ dos últimos governadores de Roraima.

Para não mudar o que ocorre com frequência, nova rebelião com mortes foi verificada ontem à noite na Penitenciária Agrícola.

Pelo menos três detentos morreram durante uma rebelião. Um deles foi decapitado e teve a cabeça pendurada na Carceragem.

CONTATOS: www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – whatsapp: 98122-3345 – Facebook: Peronnico Expedito

Mais Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: