Suely consegue aprovar renegociação de débitos com BNDES e BB. O que isso significa? Mais endividamento para o Estado.

Compartilhe nosso conteúdo!
*** A Coluna de Hoje /// Publicada 00h13m ***
A reunião das comissões em conjunto gerou bate-boca severas discussões, mas o governo acabou ganhando o ‘jogo’.

É espantoso mas a governadora Suely Campos obteve três triunfos ontem no Plenário da Assembleia com votos justamente da oposição. Três projetos que permitem o governo efetuar recomposição de créditos junto ao BNDES, ao Banco do Brasil e com Instituto de Previdência do Estado (IPER), alcançaram aprovação porque contou com a benignidade de parte do bloco antagonista, porém, com o protesto de cinco deputados que se abstiveram: Jorge Everton, Lenir Rodrigues, Izaias Maia, Massamy Eda e Dhiego Coelho. Mesmo em menor número, com apenas 9 deputados em plenário, a base chapa-branca consagrou-se.

Os pedidos de recomposição dos débitos geraram intensos debates entre os deputados nas comissões, porque o pedido do governo não está límpido quanto aos valores e origem da dívida a ser renegociada. O que deixou os deputados ainda mais irresignados é pelo tamanho do prazo e pela forma das pretensões do Governo que praticamente ganhou cheque em branco para endividar o Estado pelos próximos 30 anos.

Os prazos firmados na negociação com os bancos são excessivamente generosos para os dois contratos: 360 meses para a liquidação da dívida, com 40 meses de carência, ou seja, esse empréstimo será tomado agora e a conta fica para os sucessores de Suely e o povo de Roraima pelas próximas 3 décadas.

Na prática a recomposição das dívidas do governo esconde artifícios ardis e intencionais. A finalidade, todos sabem, é habilitar o Estado a se endividar ainda mais com a tomada de novos empréstimos, porque desde o desmanche do Estado ocasionado no governo de Zé Anchieta, que nos deixou uma herança maldita e uma dívida bilionária, Roraima não recuperou mais sua capacidade de endividamento.

Banido há algum tempo das linhas naturais de financiamentos bancários, o Governo ganhou carta branca, na verdade, um ‘presentaço’ antecipado de Natal para captar mais dinheiro no mercado. Os projetos aprovados ontem abrem as portas dos bancos para novos ‘papagaios’. E os deputados já sabem até quanto Suely quer captar no mercado financeiro para 2018, ano de eleição: R$ 185 milhões.

Mas os deputados da oposição tiveram o cuidado de emendar os projetos, com sugestões do deputado Jorge Everton, amarrando praticamente as pretensões governista: é que o Governo só toma novos empréstimos se a Assembleia autorizar por maioria absoluta.

‘Novas dívidas inviabilizam Estado’, diz Jorge Everton

Para Everton por detrás da composição das dívidas esconde-se outros propósitos do Governo.

Endividar ainda mais o Estado, e parece ser esse o propósito do Governo de Suely a partir das aprovações de ontem, as próximas gestões e as gerações futuras, no entendimento do deputado Jorge Everton, estarão comprometidas.

Segundo ele Roraima não tem mais capacidade de tomar novos empréstimos, pois sequer consegue pagar os antigos, ainda em vigência. Para o parlamentar a irresponsabilidade de Suely não compromete apenas a saúde financeira de Roraima, mas representa risco real às gerações de roraimenses que dependem do Estado nas próximas décadas.

O Estado não consegue pagar em dia o serviço da dívida existente. Não paga salário em dia. Não paga fornecedores regularmente. Não repassa o duodécimo dos poderes. Não faz investimentos em setores vitais como saúde, educação e segurança pública. Não tem responsabilidade nenhuma com os compromissos financeiros. Como um estado perdulário desses ainda quer fazer novas contas?”, questiona o parlamentar.

‘Suely faz a conta e nós pagamos’, queixa-se Dhiego

Dhiego até que tentou mas conseguiu reverter as votações que deram vitória ao Governo.

O deputado Dhiego Coelho até que tentou barrar a aprovação das matérias de ontem, articulando entre colegas de oposição, mas foi vencido, para sua frustração, com votos de companheiros de grupo.

Absolutamente embravecido com a manobra governista, que inclusive fez com as matérias andassem a galope, Dhiego alertou o parlamento para a encargo assumido com a aprovação dos interesses governamentais.

Vejam bem, senhores. Nós estamos dando um talão de cheques assinado e em branco para esse Governo. E todos sabem da incapacidade de gestão de Suely. Nós estamos assumindo o ônus que não é nosso. E podem ter certeza o governo vai pegar o dinheiro, gastar e deixar a conta para pagarmos depois”, alertou Dhiego.

‘Homi é homi. Mulé é mulé’

Mecias apresentou projeto polêmico que vai gerar muitos debates sobre sexualidade na escola.

Um projeto do deputado Mecias de Jesus, apresentado ontem na ALE, certamente dará o que falar. Suscitará debates mais contextualizados. No conceito nordestino, bem conservador, significa dizer que a questão da sexualidade, discussão tão em voga no momento, não tem apelo. ‘Homem é homem. Mulher é mulher’, e pronto.

Embora não tenha gerado qualquer posicionamento machista ou homofóbico, Mecias disse que o projeto dispõe sobre a proibição de atividades pedagógicas que visam à reprodução do conceito de ideologia de gênero na grade curricular das escolas estaduais públicas e privadas do Estado de Roraima.

O deputado justificou a proposta tendo como base uma pesquisa realizada em Roraima, sobre a quem cabia a responsabilidade sobre a orientação sexual das crianças: 84,4% afirmaram serem os pais, e apenas 2,2% concordou que pertencia a escola.

“Existe um grande movimento em todo Brasil, no sentido de impor nas instituições de ensino, aulas dirigidas ideologicamente para ensinar as crianças a partir dos 6 anos de idade que elas não são meninos e nem meninas, que podem ser o que elas quiserem”, afirmou Mecias. “Mas de acordo com a opinião da maioria dos roraimenses, a responsabilidade de orientar sexualmente uma criança cabe especificamente a família, aos pais ou responsáveis por eles”, reforçou o deputado.

Jucá se defende citando Janot

Jucá citou até Janot, seu algoz, na defesa que fez para mostrar que é inocente da acusação. 

Contra a acusação da Lava Jato de que, em troca de propina, trabalhou para aprovar legislação de interesse de empresas, o presidente do PMDB, Romero Jucá, afirmou à Justiça que é comum parlamentares receberem pleitos dos mais variados setores.

O senador roraimense cita até o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot (seu algoz), que lhe enviou emendas ao Orçamento de 2015 para atender às necessidades do Ministério Público Federal.

Ai, em agradecimento, Janot satanizou a vida e Jucá com um unhado de denúncias que estão sendo apuradas na PGR e n STF. Jucá aliás, fez campanha para emplacar o segundo mandato de Janot na procuradoria.

PMDB não punirá traidores de Temer

Temer foi absolvido na votação da Câmara mas não contou com votos do próprio partido.

Apesar da pressão de alguns deputados peemedebistas, que pedem a punição aos parlamentares que ficaram contra o presidente Michel Temer na votação da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), a cúpula do PMDB não quer saber do assunto, em especial o presidente da legenda, o senador Romero Jucá.

Portanto, ninguém deve esperar que tal tema seja lembrado durante a convenção da sigla na próxima semana.

Um dos motivos atende pelo nome de Mauro Mariani, presidente do partido em Santa Catarina. Mariani, pré-candidato ao governo catarinense, foi um dos infiéis a Temer.

Outra novidade no PMDB é que o Partido decidiu adiar novamente a Convenção Nacional do partido. Marcada para o dia 7 de novembro, não há previsão de data para a nova reunião.

A pauta toda caiu. O senador Romero Jucá, presidente da legenda, vai reorganizar as novas bandeiras, mas a única certeza é que o partido voltará a se chamar MDB.

Sejuc: desvio de R$ 3,5 milhões será investigado

Jorge Everton fez pronunciamento ontem na ALE pedindo novamente o Impeachment de Suely.

O deputado estadual Jorge Everton (PMDB) garantiu ontem que o desvio de R$ 3,5 milhões do recurso federal destinado à construção de um novo presídio em Roraima será investigado pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen). “Roraima mais uma vez ocupou as páginas nacionais. O ministro da Justiça [Torquato Jardim] afirmou que o desvio do recurso federal no estado ‘já virou caso de polícia’”, declarou Jorge Everton citando a entrevista do ministro ao jornalista Josias de Souza.

Na entrevista, publicada na segunda-feira (30), Torquato Jardim acusou os governos dos Estados de aplicarem inadequadamente R$ 1,2 bilhão, repassado pela União em 2016, para construção ou melhoria de penitenciárias. Na conversa, Jardim afirmou que o Depen fará uma ‘tomada de contas’.

“Tenho a convicção que não foi em vão meu trabalho. Como relator da CPI do sistema prisional fiz o meu papel e exerci o que o eleitor pediu que eu fizesse, que foi apurar, investigar”, afirmou Jorge Everton, ao lembrar que na época foi acusado de fazer um relatório baseado em factoide político.

Defensor implacável da abertura de impeachment contra a governadora Suely Campos (PP), o parlamentar aproveitou a notícia publicada em âmbito nacional para pedir aos pares que revejam o relatório da CPI.

Espero que essa Casa não silencie e que dê a resposta que a sociedade pede. Sinceramente foi um ano duro de trabalho, mas muito recompensador porque as pessoas estão vendo. Quero destacar que, infelizmente, a governadora estava presente na reunião e sequer se pronunciou”, declarou Everton.

‘Assassinando’ o vernáculo

Telmário é visto como pilhérico no Plenário do Senado. A cada vez que vai à Tribuna seu discurso causa risadas.

Causa certamente alvoroço no túmulo do famoso dicionarista Aurélio Buarque de Holanda, cada incursão de Telmário Mota à Tribuna do Senado,

A pronúncia sofrível e defeituosa de Temário além de revelar a pouca afeição do senador com a gramática, alegra os internautas de plantão, que não perdem a oportunidade de alfinetá-lo nas redes com ‘posts’ criativos e fecundos.

Senão vejamos: em sua última irrupção ao púlpito da casa legislativa, Telmário agiu como verdadeiro ‘serial killer’ do vernáculo. No pronunciamento em que se manifestou contra o Uber e a situação dos ‘tarquis’, Telmário desqualificou o ‘apricativo’, que nasceu nos ‘Estados Unido’ (sic) deixando bem claro ‘coer’ sua posição.

Foram tantas as claudicações gramaticais que até os senadores mais desatenciosos pararam para prestar atenção ao pronunciamento em ‘prenário’. Óbvio, todos estão acostumados com a forma precária dos discursos. Impossível, porém, não prestar atenção nas ‘expricações’ do senador roraimense.

O sargento caloteiro

Joaquim denunciou o caloeiro – um sargento da Base Aérea – que anda aplicando golpes na praça.

O deputado Joaquim Ruiz (PTN) denunciou ontem uma ação criminosa praticada por um sargento da Força Aérea Brasileira (FAB). O parlamentar alerta a população que tome cuidado com as investidas da militar que pratica estelionatos em nome da construtora RWA.

O parlamentar disse que já procurou a FAB junto com o deputado Chico Mozart (PRP), mas que não foi recebido pelo comandante. Ele quer que o alto comando da instituição militar em Roraima tome providências, urgente.

Segundo Ruiz, o militar está agindo como estelionatário e já teria enganado mais de 30 famílias além de empresas de renome no Estado, atuando na área imobiliária. “Ele já extorquiu entre empresas e famílias mais de R$ 5 milhões. Pela credibilidade da farda que usa, muitas famílias acreditaram nele”, disse.

“Ele usa uma empresa com o nome RWA, que também enganou mais de 300 trabalhadores, entre pedreiros, auxiliares de pedreiro, carpinteiros, gente que trabalhou nas várias obras que a empresa dele estava fazendo, foram enganados porque ele não pagou a diária. Ele pegou o dinheiro das pessoas e não pagou fornecedores e trabalhadores”, relatou Ruiz.

TJ suspende expediente a partir de hoje | O Tribunal de Justiça de Roraima suspendeu o expediente a partir de hoje e por conta do feriado de Finados, amanhã e por conta do ponto facultativo de sexta, só retoma as atividades na próxima segunda-feira, dia 6. Durante o feriado prolongado, o Judiciário Estadual funcionará em regime de plantão para os casos urgentes, conforme escalas previamente definidas pela Presidência e Corregedoria-Geral de Justiça. Os prazos processuais que porventura vençam neste período ficam automaticamente prorrogados para segunda-feira (6).

Prefeitura chama 320 do seletivo

A Prefeitura vai chamar hoje um grupo de 320 profissionais do seletivo de diversas especialidades.

A Prefeitura Municipal de Boa Vista, por meio da Secretaria Municipal de Gestão Social, faz nesta quarta-feira, 1º, a apresentação dos 320 profissionais de diversas especialidades aprovados no seletivo da secretaria. O evento ocorre às 15h30, na sede do Programa Braços Abertos, localizado na rua General Penha Brasil, São Francisco.

O processo de seleção teve início no dia 25 de setembro com a publicação do Edital, que regulamentou todas as etapas do seletivo. Foram recebidas, durante os dois dias, mais de 5 mil inscrições para 320 vagas disponibilizadas para contratação imediata, distribuídas conforme a necessidade da secretaria, em diversos cargos de nível superior, médio e fundamental. Ao todo, 553 pessoas ficaram no cadastro de reserva.

Os profissionais farão parte das equipes que atuam no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Abrigo Infantil Condomínio Pedra Pintada, Programa Rumo Certo, Projeto Cabelos de Prata, Programa Dedo Verde, Projeto Artcanto, Programa Família Que Acolhe e Programa Criança Feliz.


CONTATOS DO AUTOR | www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.
Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts