Teresa desabafa: ‘ataques sórdidos não me intimidarão’.

Compartilhe nosso conteúdo!
A Coluna de Hoje | Publicada 00h09
A prefeita Teresa confessa ser vítima de uma campanha injuriosa.

A prefeita Teresa Surita (MDB) recorreu ontem as redes redes sociais (Twitter e Facebook) para repelir o que ela chama de ‘ataques sórdidos’ que lhes são dirigidos diariamente depois que assumiu a pré-candidatura ao Governo do Estado. “Os ataques contra mim aumentaram absurdamente depois que eu disse ser pré-candidata ao Governo de Roraima. Vieram de todas as formas, de todos os jeitos. Que fique claro: isso não me intimida. Meus princípios são claros e meus valores para o bem fazem parte de mim”, disse.

Mesmo assim, sendo vítima de campanhas difamatórias e injuriosas, Teresa fez questão de desejar o bem para quem justamente lhe ataca: “Então, quanto a aqueles que me agridem, quero que saibam que têm em minhas orações o pedido a Deus para que sejam muitos felizes e amansem suas atitudes agressivas e mentirosas. Já os que me aceitam e me amam, peço que ajudem a me defender contra as calúnias nesta minha caminhada, me abrace e façam suas orações por mim. Fica aqui meu desabafo”.

Teresa disse que se objetivo na política não é a disputar um pleito como se estivesse num campo de batalha, nem tem vaidade, muito menos ganância. E faz u ma reflexão: “mas é através da política que encontramos as oportunidades para soluções inteligentes de melhorar a vida das pessoas. Esse é o meu objetivo demonstrado há 30 anos de trabalho em Roraima”.

A prefeita disse que não faz promessas vazias, porque esse é o seu estilo de ser. E que suas decisões se baseiam na paz, na sua paz interior e na paz para cada uma das pessoas, e que trabalho para que essa paz possa se manifestar pela cidade e por todo o Estado.

Eu quero construir junto com as pessoas um Estado mais justo, com desenvolvimento para todos, assim como faço e fiz várias vezes em nossa capital Boa Vista. Estou preparada para este momento e quero trabalhar com todos e para todos. Os servidores têm minha admiração, meu respeito e minha dedicação enquanto ocupar qualquer lugar. Eu quero oferecer condições de trabalho, remuneração em dia, avanços pessoais e profissionais. Não acreditem nas mentiras que não os deixam crescer.

Crescimento e riquezas

Teresa aposta no agronegócio para tornar Roraima auto-suficiente e livrar-se da dependência estatal.

Em uma das postagens no Twitter a prefeita faz uma referência ao desejo de ver Roraima crescer através do agronegócio, da geração de emprego e renda, a busca pela autosuficiência através da produção.

“Quero que os empresários recebam em dia, que cresçam e ajudem o nosso Estado a crescer, e aquele que é o nosso maior potencial de riqueza, o agronegócio, possa produzir alimentos com tecnologia e condições para nos tornarmos um Estado rico como sonhamos há décadas”.

Não tenho o propósito de mentir e nem de destruir, e sim de CONSTRUIR e encontrar soluções para as necessidades do Estado hoje, que são extremas nas áreas de educação, saúde, segurança, em todos os segmentos. Digam-me se isso não é verdade?

Teresa finaliza suas postagens dizendo que muitas pessoas pedem diariamente e desejam que ela siga um caminho com mais condições de trabalho, para fazer por todo o Estado o que faz diariamente por décadas por Boa Vista.

Por isso, sou pré-candidata a governadora do Estado de Roraima. Avançamos em Boa Vista em todos os sentidos, apresentamos resultados, temos TRABALHO a mostrar. Roraima também precisa avançar. Todos os outros municípios de Roraima merecem esse crescimento”.

O troca-troca na Segurança

Haydèe Magalhães assumiu a Secretaria de Segurança no lugar de Giuliana Castro.

Passados 3 anos e quase 3 meses de gestão, Suely já trocou o comando da Secretaria de Segurança Púbica 6 vezes. São tantos os secretários nesse período que chega a ser difícil memorizar o nome de todos eles. Isso denota a falta de compromisso do Governo com a segurança da população.

O governo começou com Januário Miranda Lacerda no comando, depois seguiu trocando de secretários. E ontem o Diário Oficial anunciou mais uma mudança: a espevitada Giuliana Castro cedeu o posto inexplicavelmente à outra delegada, Haydèe Magalhães.

E na dança das cadeiras, Giuliana foi deslocada para a Delegacia Geral, ao mesmo tempo que Edinéia Chagas foi demitida do posto. E no meio dessa bagunça toda, a Segurança segue destroçada fazendo a festa da bandidagem. O pior é que entra e sai secretário e a Segurança continua na mesma: fracasso total.

Ah, pelas minhas anotações, são os seguintes os suplicantes que por lá passaram: Januário Lacerda, João Batista Campelo, Paulo César Costa,  Francisco Araújo e agora Haydèe Magalhães que já esteve secretária interina no ano passado.

Suely retém orçamento da UERR

A UERR cobra do Governo que seu orçamento seja repassado mensalmente de forma integral.

A desordem administrativa impera no governo de Suely a ponto de causar danos em áreas vitais a ponto de obrigar a Universidade Estadual a pedir socorro da Justiça para que seu orçamento seja liberado integralmente.

A UERR vem sofrendo problema de descontinuidade de gestão porque o Governo resolveu suprimir e reter seu orçamento, causando danos sérios na estrutura da entidade,

Ai o juiz titular da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Boa Vista, Aluizio Ferreira Vieira, atendeu a queixa da instituição e determinou o bloqueio de mais de R$10 milhões do tesouro Estadual, bem como que sejam repassados os valores referentes ao orçamento da Universidade Estadual de Roraima em forma de duodécimo, até o dia 5 de cada mês.

De acordo com trecho da decisão a Universidade Estadual de Roraima detém autonomia administrativa e de gestão financeira e patrimonial, cabendo ao seu administrador, conforme sua conveniência e oportunidade, estabelecer como será sua organização administrativa e ainda, quais as prioridades na ordem de pagamento.

O magistrado entendeu, que “apesar da possibilidade de redução da verba a ser repassada pelo Poder Executivo à Universidade, esta deve se dar de forma isonômica entre os Poderes e os Órgãos autônomos (caso da UERR), após prévia justificativa desta redução, sob pena de violação ao Comando Constitucional de autonomia administrativa e de gestão financeira, prevista no artigo 207, da Constituição da República de 1988”. Fonte | Tribunal de Justiça

Histeria coletiva

Jucá é vítima da histeria da imprensa e de adversários sempre que é citado em alguma acusação não provada.

O senador Romero Jucá (MDB) é vítima novamente da histeria coletiva, arquitetada por um grupo de derrotados da política local. Agora por conta de uma acusação não provada de ‘lavagem de dinheiro’. Lembrando que acusação não é condenação

Jucá está sendo investigado no STF porque o então PMDB recebeu doação de campanha da empreiteira Odebrecht no valor de R$ 150 mil para a campanha de 2014, em Roraima, razão do inquérito.

A investigação contudo, porque corre no STF, ensejou um pitiatismo medonho nos adversários de Jucá, que se regozijam com o fato, claro. Mesmo tratando-se de uma apuração sem comprovação alguma de ilícito.

Mas o senador segue vítima da demonização grupal, igual àquela gravação clandestina em que foi apanhado pelo criminoso Sérgio Machado, depois forçado por conta da pressão, a pedir demissão do Ministério do Planejamento.

Vitimado, denunciado, condenado e execrado em praça pública, e na forma mais inerme, aquela em que a pessoa vira notícia de jornal quando o texto revela-se absolutamente mentiroso, o então ministro forte do Governo Temer preferiu sair de cena.

Mais de um ano depois Jucá foi inocentado pela Polícia Federal, pela Procuradoria Geral da República e pelo próprio STF. O caso evaporou-se da mídia e das mentes doentias. Mas não apareceu nenhuma viva alma para se retratar.

Até ontem à noite a Prefeitura não havia se manifestado pois não recebeu a notificação da decisão judicial.

Juiz suspende cobrança de multas

Os radares além de educar e disciplina o trânsito contribuem para diminuir acidentes nas ruas.

O juiz Aluízio Ferreira Vieira concedeu liminar em ação civil pública ajuizada pelo Procon Assembleia para suspender o funcionamento dos radares eletrônicos que funcionam em seis pontos da Capital, além de determinar que a Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Trânsito apresente em juízo as informações sobre os pontos em que os equipamentos estão instalados e o respectivo estudo técnico.

Determinou ainda em sua decisão que a SMTRAN e o Detran suspendam imediatamente as cobranças de todas as multas geradas em decorrência dos radares desde o dia 20 de novembro do ano passado, quando passaram a funcionar. Por fim, determina também que o Detran suspensa imediatamente o lançamento de pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) de condutores lesados.

Foi fixada uma multa no valor de R$ 5mil por dia de descumprimento da decisão, limitados a 30 dias. Nesse mesmo prazo tanto a secretaria municipal quanto o Detran poderão apresentar suas respectivas defesas no processo.

Aluízio Ferreira destaca a intenção do Município de Boa Vista em deixar o trânsito da cidade mais seguro, bem como reduzir o número de acidentes, no entanto, deixa claro que todas as ações com esse fim precisam ser praticadas observando os princípios como os da publicidade e da proporcionalidade.

Prefeitura se manifesta

Embora não tenha sido ainda notificada da decisão do juiz Aluízio, a Prefeitura se manifestou por meio de nota:

As infrações de trânsito notificadas pelos radares de nossa cidade atendem aos exatos termos da Resolução 396/2011 DENATRAN, além disso, após o registro ser efetuado pelo equipamento eletrônico, o lançamento da multa em si, só é feito após lançamento pelos agentes de trânsito e depois de 30 dias para apresentação de defesa prévia pelo infrator. Ou seja, não são todos os registros do equipamento eletrônico que são transformados em infração de trânsito e lançados no sistema para cobrança ao condutor. Boa Vista possuía altos índices de acidente de trânsito com vítimas, e após a instalação desses equipamentos, esses números estão sendo reduzidos substancialmente, apenas comparando dezembro de 2017 com dezembro de 2016, já tivemos uma redução de 11% em acidentes com vítimas e 15% em se tratando de vítimas motociclistas. Além disso, as multas de trânsito não podem ser caracterizadas por confisco capitulado pelo artigo 150, inciso IV da Constituição Federal. 

Inclusão digital

O ministro Marcos Jorge anunciou ontem conjunto de medidas para auxiliar o setor produtivo.

As empresas de telefonia e tecnologia Vivo, Ericsson e o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviço vão anunciar nesta quinta-feira (15), no Fórum Econômico Mundial, o plano de inclusão digital, que contempla Roraima.

De acordo com a Assessoria de Comunicação da Vivo, o anúncio será feito pelo Ministro Marcos Jorge de Lima, no painel Migration in Latin America: Between Economic Mobility and Humanitarian Displacement e poderá ser acompanhado, ao vivo, às 9h45 (horário de Brasília), por meio do link:  www.wef.ch/la18 [wef.ch].

E ontem o ministro Marcos Jorge de Lima  lançou um conjunto de medidas para auxiliar o setor produtivo, em especial as pequenas e médias indústrias, em direção ao futuro da produção industrial.

A recuperação da economia brasileira e a melhoria do ambiente de negócios trazem oportunidades para o investimento em inovação e a transformação das plantas industriais atuais em fábricas inteligentes e modulares”, explicou Jorge. Fonte | MINC

Migração: nada mudou depois de Temer

Venezuelanos que fugiram do país vizinho continuam chegando todos os dias á Praça Simon Bolívar.

Nada mudou em Roraima desde que Michel Temer lá esteve. Os venezuelanos continuam cruzando a fronteira aos montes.

O governo anunciou a liberação de 190 milhões de reais para a construção de um centro de triagem e de dois centros de acolhimento — tudo a ser administrado pelo Exército.

Mas, por enquanto, a única coisa que chegou ao estado mesmo foi a solidariedade voluntária de igrejas, empresários e moradores.

E a praça Simon Bolívar, o libertador venerado dos venezuelanos, continua sendo o lar desses miseráveis que chegam aqui fugindo do desemprego e da fome.

Masamy exige fardamento do Governo

Masamy entende que o governo só pode cobrar uso de farda militar se fornecer o uniforme.

O deputado Masamy Eda (MDB) está propondo um projeto de lei que proíbe a exigência do uniforme escolar nas escolas militarizadas, exceto quando os informes forem doados pelo Governo.

É que os estudantes que passaram a integrar a rede de escolas de ensino militarizado são obrigados a usar o mesmo uniforme do Colégio Militar do Estado. Ocorre que o fardamento não sai por menos que R$ 650, o que onera o orçamento das famílias.

“Para que as escolas exijam dos alunos o uniforme, o Executivo terá que doar, contemplando-os desde a vestimenta até o calçado específico que é exigido nas escolas”, disse.

Masamy fez questão de frisar que o projeto não fere as normas constitucionais, pelo contrário atende aos preceitos básicos da Constituição Federal, que estabelece ser a educação gratuita e um direito de todos nas instituições de ensino público, inclusive sendo de responsabilidade do Poder público propiciar a igualdade de acesso.


CONTATOS DO AUTOR www.peronico.com.br – e-mail: peronico.27@gmail.com – Facebook: Peronnico Expedito – Blog do Expedito Peronnico.

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts