É uma maternidade ou uma pocilga? VEJAM IMAGENS

Compartilhe nosso conteúdo!

Enquanto o Governo de Roraima vive no mundo irreal das propagandas mentirosas nas redes sociais, a maternidade estadual – que mais parece uma pocilga – vive um momento crítico. A situação que já era crítica ultrapassou os limites do aceitável quando foi transferida para estruturas precárias montadas em tenda onde funcionou o hospital de campanha.

As crianças de Roraima estão nascendo sob lonas plásticas, dentro de tendas improvisadas. Um estado com quase 700 mil habitantes, que recebeu Bilhões de Reais do Governo Federal para investimento em saúde pública, não pode submeter suas mães a essa humilhação.

A maternidade teve que ser transferida para um espaço improvisado na Avenida Brasil, bairro 13 de Setembro, porque o antigo Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth passa reformas, sem uma data para a conclusão da obra. Inicialmente, seria algo temporário. Porém, um ano depois, as obras prometidas pelo governo de reestruturação do prédio ainda não terminaram. Enquanto isso, bebês estão nascendo em tendas.

Diariamente, denúncias surgem na mídia e nas redes sociais sobre as péssimas condições do lugar, oferecendo riscos à saúde das mães e de seus bebês. Tudo por causa da negligência do Estado em oferecer acomodações dignas às mulheres e seus bebês.

A transferência da Maternidade para o espaço improvisado na BR-174 não cessaram os problemas e novas denúncias surgem dando conta de novos problemas estruturais. A pergunta que fica é: até quando as famílias terão que passar por esse martírio? E mais: Por quanto tempo ainda a população vai aguardar pelo fim dessas obras de reforma do prédio da Maternidade Estadual que parece que continuam paradas?

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts