Maioria dos refugiados no Brasil passou por Roraima.

Compartilhe nosso conteúdo!

Mais de 26 mil pessoas refugiadas foram reconhecidas no Brasil em 2020. Os dados fazem parte dos relatórios “Refúgio em Números – 6ª Edição” e “Dados Consolidados da Imigração no Brasil 2020”, divulgados nesta terça-feira (22) pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, em parceria com o Observatório das Migrações Internacionais (Obmigra). O levantamento também mostrou que dos 60 mil refugiados e imigrantes no país, cerca de 24 mil foram inseridos no mercado de trabalho no ano passado.

O Brasil recebeu aproximadamente 30 mil pedidos de refúgio somente em 2020, envolvendo pessoas de 113 países. A maior parte dos solicitantes, 17 mil, é de nacionalidade venezuelana (60,2%). Em seguida, destaca-se o número de solicitações de haitianos (6.613 mil), que representaram 22,9% do total.

A maioria dos pedidos de refúgio no Brasil está concentrada na região Norte. Cerca de 75,5% das solicitações recebidas pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) foram protocoladas em unidades da Polícia Federal nos estados de Roraima (59,9%), seguido do Amazonas (10,1%). A maioria dos requerentes é homem (57,3%). As mulheres representam 42,7%. A maior parte dos solicitantes tinha entre 25 e 39 anos, seguida pela faixa etária de 15 a 24 anos.

Mercado de trabalho

As análises apresentadas no relatório “Dados Consolidados da Imigração no Brasil 2020”, de acordo com os dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), apontaram que no ano de 2020 foram gerados 23.945 postos de trabalho para imigrantes no mercado formal.

Em relação aos estados, 77% de todas as vagas ocupadas por trabalhadores imigrantes no Brasil concentraram-se em Santa Catarina (10,3 mil), São Paulo (8,3 mil), Paraná (5,7 mil) e Rio Grande do Sul (4,6 mil).

O representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) no Brasil, José Egas, destacou o número de crianças nesse contexto. “Cerca de 1 milhão de crianças já nasceram refugiadas nos últimos três anos. Precisamos estar unidos para enfrentar essa a situação no mundo inteiro. Desde 2019, mais de 3 mil crianças venezuelanas obtiveram o reconhecimento no Brasil, que tem dado um bom exemplo com a operação acolhida, boas práticas que têm sido referência no mundo”, conclui.

Fonte: Ministério da Justiça

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts