Chico Rodrigues pede que STF arquive inquérito do ‘dinheiro na cueca’.

Compartilhe nosso conteúdo!

Senador foi flagrado com R$ 30 mil nas roupas íntimas em outubro do ano passado, quando foi alvo de operação da Polícia Federal em casa.

Chico Rodrigues pede que STF arquive inquérito do dinheiro na cueca
Chico foi flagrado com dinheiro nas nádegas pela Polícia Federal.

O senador Chico Rodrigues flagrado com mais de 30 mil reais em dinheiro na cueca durante uma operação da Polícia Federal, pediu ao Supremo Tribunal Federal o arquivamento do inquérito por falta de justa causa penal.

O caso foi revelado pela revista Crusoé em outubro do ano passado. No pedido, a defesa afirma que o se vê que o trabalho investigativo está longe está de indiciar qualquer tipo de participação do senador em fraudes licitatórias ou ao beneficiamento de quem quer que seja.

“Todas as mensagens em que o parlamentar figura como interlocutor denotam um nítido interesse público, sempre na tentativa de suprir, na medida do possível, as carências da população roraimense diante da manifesta ineficiência do Governo estadual para aquele desiderato”, disse a defesa. 

Segundo os advogados, os relatórios se resumem a descrever conversas de Chico Rodrigues, que têm sido utilizadas para tentar caracterizar “vínculo espúrio” entre pessoas.

Toda a investigação contra Chico Rodrigues é amparada na tentativa de comprovar relação com pessoas, com representantes de empresas, com membros da Administração Pública estadual, e outros, como se o mero contato do parlamentar com certas pessoas já o colocasse sob a pecha de suspeito. O trabalho investigativo — ao que tudo indica — já abandonou a tentativa de provar que o Senador Chico Rodrigues estaria envolvido em fraudes licitatórias por absoluta ausência de indícios naquele sentido”, afirmaram os advogados.

O senador é investigado por envolvimento em um esquema de desvios de recursos que seriam destinados ao combate da pandemia em Roraima. No inquérito, Chico Rodrigues foi apontado como um “gestor paralelo” da Secretaria Estadual de Saúde. No dia da operação contra os envolvidos, em outubro passado, foram apreendidos R$ 33 mil na cueca do senador.

Em fevereiro, o ministro do Supremo Luís Roberto Barroso decidiu não prorrogar o afastamento do parlamentar, abrindo caminho para que ele pudesse voltar a exercer seu mandato parlamentar.

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts