Hamilton Mourão: “garimpo em terras Yanomami em Roraima é “recorrente”, mas números são inflados”.

Compartilhe nosso conteúdo!

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou nesta 5ª feira (18.nov.2021) que a exploração mineral ilegal em terras Yanomami em Roraima é um problema “recorrente”, mas tem “números inflados”. Segundo Mourão, o governo estima ter entre 3 mil e 3,5 mil garimpeiros na região atrás de ouro. Afirmou que o número é “muito grande” comparado aos indígenas.

“Termina por ser recorrente esse assunto. Em termos de desintrusão de garimpeiro, que eu me recordo, a gente já fez umas 3 ou 4 vezes [operações] lá. Aí existem números um tanto quanto inflados, né? Porque colocam que tem 20 mil garimpeiros lá, é o dado que circula”, disse Mourão em conversa com jornalistas na saída do Palácio do Planalto.

O vice-presidente afirma que seria necessária mais atividade de transporte de alimentos na região caso 20 mil garimpeiros atuassem de fato na região.

“Se tivesse 20 mil garimpeiros, precisava de 6 toneladas de arroz por dia para alimentar esse povo. Então, seria um enorme transporte sendo realizado. A nossa estimativa é que tem entre 3 mil e 3.500, que já é um número muito grande considerando que tem em torno de 25 mil indígenas em toda a terra”, declarou.

Para o vice-presidente a situação dos indígenas Yanomamis é “complicada” e a solução passa pela regularização do garimpo em terras indígenas. “Tem que regulamentar a questão da exploração mineral em terra indígena. A Constituição prevê isso e enquanto não se regulamentar vai continuar esse eterno jogo de gato e rato. É uma realidade”, afirmou.

Em fevereiro do ano passado, o governo enviou um projeto (PL 191/2020) ao Congresso que permite a exploração de recursos minerais e hídricos, em terras indígenas. A proposta enfrenta resistência entre os congressistas e é criticada por organizações ambientais.

O vice-presidente afirmou ainda que não há consenso entre os povos indígenas sobre a exploração. “Tem índio que quer garimpar, tem índio que não quer garimpar. É uma própria divisão no seio dos povos indígenas.”

O ministro Luis Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou na 4ª feira (17.nov) que o governo federal informe, em 5 dias, sobre a situação da população indígena Yanomami. Deverão ser esclarecidas questões relacionadas à nutrição dos povos e às condições de acesso à água potável, a medicamentos e a serviços de saúde.


Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts