REVELAÇÃO: Juan Guaidó e Claver-Carone planejaram o assassinato de Nicolás Maduro na Casa Branca.

Compartilhe nosso conteúdo!

Os ex-deputados Juan Guaidó e Julio Borges , juntamente com outros líderes da oposição mais radicais, como Carlos Vecchio e Mauricio Claver-Carone , discutiram na Casa Branca, Estados Unidos , em 5 de fevereiro de 2020, o assassinato do Presidente da República, Nicolás Maduro , e pediu uma invasão militar contra a Venezuela, denunciou nesta sexta-feira o embaixador venezuelano na Organização das Nações Unidas (ONU), Samuel Moncada.

Por meio de sua conta na rede social Twitter, Moncada destacou que eles convenceram o ex-presidente Donald Trump de que apenas uma ação das tropas norte-americanas, como uma invasão ou uma ação clandestina contra Maduro, eram as opções reais para assumir o controle da Venezuela.

O assassinato do presidente Maduro foi discutido na Casa Branca com a presença de Guaidó, Borges e Vecchio. Mauricio Claver-Carone fazia parte do plano. Um plano muito semelhante ao assassinato do presidente do Haiti com mercenários colombianos. Na Venezuela falhou”, disse.

Moncada explicou que “foram duas reuniões, na primeira Trump perguntou diretamente a Guaidó: “O que você acha se os militares dos EUA se livrarem de Maduro?” Guaidó respondeu: “É claro que sempre acolheremos a ajuda dos EUA”, escreveu Moncada no Twitter.

Guaidó, Borges e Vecchio discutiram a invasão militar direta dos EUA (preferível), a invasão mercenária da Colômbia (complicada) e passaram da grande escala a uma operação especial contra o presidente Maduro. Discutiram o assassinato do presidente da Venezuela, “, salientou. 

Moncada disse que “Trump sempre pensou que Guaidó era fraco, incapaz de substituir o presidente Maduro, que ele via como forte. Trump desprezou Guaidó porque eles imploraram para que soldados americanos invadissem seu país enquanto Maduro lutava contra a invasão”.

“Mas Guaidó também disse que os venezuelanos que estavam na Colômbia queriam recuperar o país eles mesmos.” O embaixador Moncada, representante permanente da Venezuela na Organização das Nações Unidas, citou confissões de Mark Esper, ex-secretário de Defesa dos EUA durante o governo do então presidente Donald Trump.

“Todos os venezuelanos devem conhecer esses fatos para entender a ameaça que ainda enfrentamos hoje”, disse Moncada.

Com informações: Globovision

Compartilhe nosso conteúdo!
By peronico

Expedito Perônico, jornalista e colunista de política. Este blog cobre os bastidores do poder em Roraima e em Brasília. Já atuei nos principais veículos de comunicação de Roraima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts